Fonte: OpenWeather

    Denúncia


    Familiares denunciam atendimento em hospital da Unimed em Manaus

    De acordo com familiares, os pacientes internados da Unimed do bairro Parque das Laranjeiras, zona Centro Sul de Manaus, estariam sofrendo com a falta de insumos médicos e a redução de profissionais

    Segundo os denunciantes que não quis ser identificados, há um alto índice de contaminação hospitalar na unidade de tratamento intensivo (UTI). | Foto: Marcely Gomes

    Manaus - Familiares de pacientes internados no Hospital Unimed, localizado no Parque das Laranjeiras, Zona Centro-Sul de Manaus, denunciaram ao Em Tempo nesta segunda-feira (11), a falta de materiais ambulatoriais para o tratamento de determinadas doenças, além de problemas no atendimento médico dentro das Unidades de Terapias Intensivas (UTI).

     "A situação é lamentável. Minha avó entrou aqui com uma fratura na perna esquerda, três dias depois ela deu entrada na UTI com um quadro de insuficiência respiratória. Estamos preocupados porque devido ao tempo que ela está acamada, há mais de três meses, surgiu uma úlcera na região lombar com 15 cm de diâmetro. É possível até ver o osso", conta um familiar de um dos pacientes.

    Segundo os denunciantes que não quiseram ser identificados, há um alto índice de contaminação hospitalar na unidade de tratamento intensivo (UTI). “Hoje eu recebi a notícia de que a ferida na região lombar da minha avó está tão grande e profunda, que a alça intestinal está visível. Soubemos também que outros pacientes estão sendo infectados, em consequência da falta de limpeza  do local", disse.

    Leia também: Laudo de acidente que vitimou três pessoas na AM-010 sairá em 10 dias

    Além da  falta de materiais, os  familiares da idosa também relataram que o hospital não possui número suficiente de profissionais ."Os pacientes acamados estão sofrendo e a Unimed não toma providências. Não há profissionais suficientes para realizar os procedimentos. A vezes presenciamos casos de alguns pacientes sujos, com roupas encharcadas de urinas e não há um profissional para realizar a limpeza. Eles brincam com a vida das pessoas, pois não querem contratar mais profissionais", relata a fonte.

    Familiares denunciaram o caso na Delegacia do Idoso
    Familiares denunciaram o caso na Delegacia do Idoso | Foto: Divulgação


    Familiares declararam ter feito denúncias na Delegacia do Idoso e no Ministério Público. "Precisamos que os órgãos de Vigilância Sanitária acompanhem o que está acontecendo dentro da Unimed, pois muitas pessoas podem morrer por falta de assistência devida. E ninguém tem coragem de denunciar".

    Acompanhantes de pacientes registraram infiltrações  em ar-condicionados próximos aos leitos dos enfermos.
    Acompanhantes de pacientes registraram infiltrações em ar-condicionados próximos aos leitos dos enfermos. | Foto: Divulgação


    Ainda de acordo com a fonte, os velhinhos são expostos a vários tipos de contaminação. Alguns já contrariam escara (uma espécie de úlcera), por conta da falta de higiene, acrescentando que não há preocupação com os pacientes. "Todos os anos o custo dos planos de Saúde aumentam, não deveriam nem aumentar, pois não estão oferecendo um serviço que preste", acrescentou. 

    Por telefone, a reportagem do Em Tempo conversou com a familiar de uma idosa que faleceu no hospital no último dia 28 de abril.  "Minha avó entrou com um quadro de fibrose pulmonar, ela passou por uma reanimação e foi internada na UTI. O local é um lixo. Entra qualquer pessoa, de qualquer jeito. Não tem sabão, falta água. Os técnicos reclamam que não tem luva, os banheiros são sujos, os lençóis demoram para serem trocados. É revoltante uma situação dessa. Minha avó morreu pela falta de assistência da Unimed", conta

    Afim de averiguar as denuncias, o Em Tempo esteve nesta segunda-feira (11), na unidade da Cooperativa, no Parque das Laranjeiras. Durante a visita, clientes informaram sobre a demora no atendimento e erros nos documentos. “Quando chegamos aqui para fazer qualquer tipo de procedimento médico, precisamos apresentar nossa carteirinha. O problema é que quando vamos para uma consulta, a ficha se perde pelo meio do caminho e não chega na mesa do médico. Muitas vezes o nosso nome está errado ou em nome de outra pessoa”, conta um dos clientes da cooperativa.

    A reportagem também conversou com um Idosa de 74 anos que havia acabado de chegar à unidade. Ela não quis ser  identificada. Segundo a mulher, ela estava indo ao hospital para realizar um curativo na perna direita. “É uma vergonha, eu cheguei aqui com meu filho para fazer meu curativo. Havia uma peça de metal bem na frente do estacionamento, local onde descem os pacientes. Depois temos que esperar pelo atendimento, que é demorado. Se ninguém tem coragem de denunciar este hospital, eu tenho", disse. 

    Nota

    Por meio de nota, a assessoria da Unimed Manaus informou que "que cumpre todas as recomendações estabelecidas pelos órgãos sanitários competentes, e que seus índices de infecção relacionada à assistência à saúde são mensalmente monitorados e relatados aos órgãos sanitários estaduais, encontrando-se na média de incidência do estado do Amazonas, dentro dos padrões regulares para unidades hospitalares".

    A Unimed disse ainda que "Pacientes e familiares tem informações pertinentes aos seus casos disponíveis na unidade hospitalar e com o corpo clínico atuante." E que  "constantemente se reporta às autoridades sanitárias. A Unimed Manaus, há mais de 38 anos, presta toda a assistência necessária para o bem estar e recuperação de todos os seus clientes".

    Leia mais:

    Jovem suspeito de roubo morre após ser agredido no Presidente Vargas  

    Quer trabalhar? Fundação Bradesco oferece cursos grátis  

    Prefeitura de Borba abre 326 vagas para concurso público