Fonte: OpenWeather

    Processo


    Dívida de quase R$ 100 milhões pode levar Fucapi à falência

    Ministério Público do Estado do Amazonas estuda a possibilidade de falência ou extinção da fundação

    Fucapi pode ser extinta por dívida de quase 100 milhões de reais. | Foto: Divulgação

    Manaus - Com dívidas que somam quase R$ 100 milhões, a Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação (Fucapi) está à beira da falência. A informação foi revelada nesta sexta (12), pelo Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM), por meio da titular da 47ª Promotoria de Justiça Especializada em Fundações e Massas Falidas,  promotora de justiça Kátia Maria Oliveira, em coletiva de imprensa.

    Leia também: Em Tempo cria lista de transmissão de notícias pelo WhatsApp

    O Ministério Público informou que após auditoria realizada até outubro de 2017 na Fundação foi constatada dívidas exorbitantes de não pagamento. Perante análise, foi verificado que é impossível quitar as dívidas e que a dívida sobe a cada mês. Alguns dados divulgados pela promotora de Justiça foi mais de R$ 4 milhões a fornecedores; R$ 9,6 milhões de folha de pagamento; R$ 18,2 milhões com Fazenda Nacional; R$ 15 milhões de FGTS; e R$47 milhões com o INSS.

    Segundo a promotora de Justiça, Kátia Oliveira, as dívidas deixaram a instituição em risco. "Estamos aqui para alertar sobre a situação financeira da fundação, que é preocupante. Nós não temos a intenção de acabar com a Fucapi, mas não podemos mais aguardar. Até março a situação será resolvida de uma forma ou de outra. Ou será extinta ou decretaremos à falência. A única solução é outra empresa assumir a administração", afirmou a promotora.

    Promotora de a 47ª Promotoria de Justiça Especializada em Fundações e Massas Falidas Kátia Oliveira, fez o anúncio nesta sexta (12).
    Promotora de a 47ª Promotoria de Justiça Especializada em Fundações e Massas Falidas Kátia Oliveira, fez o anúncio nesta sexta (12). | Foto: Marcely Gomes

    Além da imprensa, compareceram ao local do anúncio professores e alunos preocupados com as medidas judiciais que a Fucapi pode enfrentar.

    O professor Roberto Cruz Júnior, funcionário da fundação há 17 anos, lamenta o possível fechamento da instituição. "Eu tenho muito amor à Fucapi, todos que estamos aqui temos uma preocupação muito grande com essa dificuldade. Nós, professores, estamos sem receber desde novembro de 2017 e não recebemos nem mesmo o 13º salário de 2016, estamos com sérias dificuldades".

    Há 17 anos trabalhando como professor da Fucapi, Roberto Jr. lamenta os problemas atuais da fundação.
    Há 17 anos trabalhando como professor da Fucapi, Roberto Jr. lamenta os problemas atuais da fundação. | Foto: Marcely Gomes

    O aluno finalista do curso de administração, André Telles, de 30 anos, teme que não consiga se formar. Segundo ele, há falta de professores. " Eu terminei o curso no ano passado, mas ainda preciso revalidar matérias, entregar cursos complementares e entregar TCC. São atividades importantes para que ei possa pegar meu certificado. Além disso, vários professores saíram da fundação. Ficamos à mercê de professores substitutos, sem aulas contínuas".

    André Telles é finalista do curso de administração e está preocupado se conseguirá concluir o curso.
    André Telles é finalista do curso de administração e está preocupado se conseguirá concluir o curso. | Foto: Marcely Gomes

    No site da fundação é possível verificar que as matrículas estão abertas. Alunos veteranos e egressos devem começar a ter aulas a partir do dia cinco de fevereiro. O vestibular está agendado para o dia 30 deste mês.

    Início da Crise

    Segundo especulações, a crise da Fucapi haveria começado em decorrência do encerramento do contrato de assessoramento promovido pela Suframa. O anúncio foi feito em abril de 2014 pelo superintendente da autarquia na época, Thomaz Nogueira. A medida foi tomada em cumprimento ao Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado entre o Ministério Público e o Governo Federal. 

    Na ocasião, o superintendente que declarou a ideia era que o fim do contrato fosse casado com a convocação de aprovados no concurso público que deveria ser realizado. "Mas, isto não será possível, pois o contrato já encerra. Já havia comunicado há um ano que não seria feita a renovação, mas venho reforçar essa informação hoje em função de que muitos ainda aguardavam que outra solução fosse possível. Não é", reforçou Nogueira à época.

    Fucapi

    A Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica foi instituída em 1982, a partir de iniciativa conjunta da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam), Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam) e Grupo Executivo Interministerial de Componentes e Materiais – GEICOM, ligado ao Governo Federal.

    Instituição privada, sem fins lucrativos, está voltada para o desenvolvimento de pesquisa e serviços tecnológicos e incremento à competitividade de empresas e organizações na região amazônica. 

    A Fucapi desenvolve atividades nas dimensões Educacional e Tecnológica, atuando nas áreas de Tecnologias da Informação e Comunicação, Tecnologias Ambientais, Tecnologia Industrial Básica, Tecnologia de Produtos e Tecnologias de Gestão. 

    O Portal Em Tempo entrou em contato com assessoria da Fucapi, porém não obteve retorno até esta publicação.

    Edição: Lívia Nadjanara

    Leia mais:

    Após Governo prometer aumento, peritos desistem de greve geral 

    Divulgação do resultado do Enem é antecipado para 18 de janeiro 

    Arthur recebe reconhecimento da ONU por acolher índios venezuelanos