Fonte: OpenWeather

    Cédulas falsas


    Comércio de notas falsas avança nas redes sociais

    Bandidos usam internet para vender R$ 3 mil em cédulas adulteradas por R$ 400, com a taxa dos Correios inclusas

    Matéria investigativa do Portal Em Tempo mostra como agem os falsificadores de dinheiro no Brasil. Confira Canal de vídeos do PORTAL E TV EM TEMPO - SBT Manaus Mais notícias 24h por dia em: http://www.emtempo.com.br | Autor: Da redação

    Manaus- Comprar ou receber dinheiro falso é prejuízo na certa, e em alguns casos pode acabar em prisão. O esquema de venda de notas falsas no Brasil não é novidade, e os criminosos utilizam livremente a internet para negociar malotes de cédulas "fakes". As notas são praticamente perfeitas e são produzidas por milhares de falsários que vendem livremente por meio do WhatsApp, páginas do Facebook e em alguns sites de compra e venda.

    Em uma publicação feita no início deste ano, o anunciante, que se identificou apenas como Keven, realiza a propaganda do seu negócio que é a venda de dinheiro falso para qualquer parte do Brasil. Durante uma conversa registrada pelo Em Tempo, em mensagens, o suspeito explicou como é realizado o envio das notas falsas e o valor de cada montante com notas fakes. 

    “Eu moro em Rio Branco, é o seguinte R$ 3 mil falso sai no valor de R$ 400 já incluso a taxa dos Correios. Mas, no momento eu só tenho notas de R$ 50 e R$ 100. Eu vou te enviar o número da minha conta e você deposita o valor assim que cair eu te envio as notas pelo correio. As notas são perfeitas e passam facilmente, só não pode tentar passar ela no banco (sic)”, disse.

    R$ 3 mil falso sai no valor de R$ 400, segundo a oferta do falsificador. Ao repórter, ele disse ainda que os valor pago pelo comprador já está incluso a taxa dos Correios.
    R$ 3 mil falso sai no valor de R$ 400, segundo a oferta do falsificador. Ao repórter, ele disse ainda que os valor pago pelo comprador já está incluso a taxa dos Correios. | Foto: Divulgação

    Leia também: Golpes persistem e ainda há quem caia neles; veja como evitá-los

    Ao decorrer da conversa o falsário explicou que “trabalha” no esquema de falsificação há mais de dois anos e tem vários clientes em toda parte do mundo. Ele disse ainda que a Polícia Federal (PF), o identificou uma vez, porém os agentes foram em um outro endereço e não conseguiram encontrá-lo.

    Durante a conversa o suspeito se mostrou desconfiado e com medo de que algum agente da PF estivesse tentando negociar as cédulas com com ele. “Você tem cara de Federal nessa sua foto. Você trabalha com o que? Eu sei que isso é crime, mas foi a maneira que encontrei para sobreviver. Um dia em que os agentes da PF pensar em vir atrás de mim eu já vou estar um passo à frente deles (sic)”, finalizou o falsário.

    Vítima

    A comerciante Clenilde Cordeiro, de 39 anos, relatou que já recebeu diversas vezes notas falsas em seu estabelecimento comercial e em decorrência das cédulas obteve inúmeros prejuízos financeiros. 

    “Eu lembro que uma vez eu recebi R$150 em notas falsas e só percebi que eram falsificadas no final do dia quando eu fui fazer o balanço do caixa. Infelizmente nós, pequenos comerciantes, estamos vulneráveis a esses tipos de golpes. Eu tive que comprar uma caneta que detecta nota falsa, mas às vezes não uso porque muitas das vezes os clientes ficam constrangidos quando fazemos o teste no momento que recebemos a nota”, disse a comerciante.

    Combate ao crime

    A assessoria de comunicação do Banco Central do Brasil (BCB), informou, em nota, que é de Competência da Policia Federal (PF) o combate ao crime de falsificação da moeda. O Banco Central do Brasil examina se uma nota suspeita é verdadeira ou não. As notas falsas não são trocadas pelo Banco Central ou pelo Governo. O dinheiro suspeito pode ser apresentado a uma agência bancária, que se encarregará de encaminhá-lo para análise do Banco Central.

    | Foto: Divulgação

    Superintendência da Polícia Federal

    Em tempo entrou em contato com as assessoria de comunicação da Superintendência da Polícia Federal dos Estados do Amazonas e Acre, porém não recebeu nenhuma resposta até a publicação desta matéria.

    Crime

    A falsificação é crime previsto pelo artigo 289 do Código Penal, com pena prevista de 3 a 12 anos de prisão. Quem tentar colocar uma cédula falsa em circulação depois de tomar conhecimento de sua falsidade, mesmo que a tenha recebido de boa-fé, pode ser condenado a uma pena de 6 meses a 2 anos de detenção.

    Como proceder no caso de receber uma cédula suspeita:

    a) Se você receber de um terminal de autoatendimento ou caixa eletrônico:

    Dentro de uma agência bancária e durante o expediente - encaminhar-se ao gerente da agência para pedir providências de pronta substituição. Se não obtiver solução satisfatória com o gerente do banco, o cidadão pode procurar uma delegacia policial mais próxima para registrar uma possível ocorrência.

    Fora de uma agência ou do horário do expediente bancário - na primeira oportunidade, dirigir-se ao gerente de sua agência bancária para pedir providências de pronta substituição. Se não obtiver solução satisfatória com o gerente do banco, o cidadão pode procurar uma delegacia policial mais próxima para registrar uma possível ocorrência.

    b) numa transação do dia a dia:

    Se você desconfiar da autenticidade de uma nota após observar os elementos de segurança ou comparar com outra cédula legítima, você pode recusá-la. É importante sempre recomendar ao dono do exemplar suspeito que procure uma agência bancária para encaminhamento da nota para ser analisada do Banco Central.

    Edição: Luís Henrique Oliveira

    Leia mais: 

    Fique esperto: passagem gratuita é o novo golpe no Whatsapp

    Ex-detentos usam técnicas de intimidação em venda de bombons em ônibus

    Cidade de Deus, o retrato do medo e da insegurança em Manaus