Fonte: OpenWeather

    presidiário


    Crianças encontram cabeça decapitada de ex-presidiário em Parintins

    O ex-presidiário, também conhecido como “Nexita”, foi encontrado morto e esquartejado dentro de uma sacola de fibra no domingo (11), pela Polícia Civil de Parintins

    Cabeça foi encontrada no campo de futebol do loteamento Teixeirão, Zona Sul de Parintins (a 369 km de Manaus). | Foto: Divulgação / Polícia Militar

    Parintins  – Um grupo de crianças e jovens que jogava bola num campo de futebol do loteamento Teixeirão, Zona Sul de Parintins (a 369 km de Manaus) ao perceber o forte odor que exalava de uma sacola, resolveram averiguar e encontraram a cabeça do ex-presidiário Gilson Lopes dos Santos, de 39 anos, nesta terça-feira (13). 

    O ex-presidiário, também conhecido como “Nexita”, foi encontrado morto e esquartejado dentro de uma sacola de fibra no domingo (11), pela Polícia Civil de Parintins. Ele foi encontrado, no Campo do Gordo, sem cabeça e com as duas pernas e os dois braços cortados.

    Leia também: Corpo de ex-presidiário e encontrado esquartejado em Parintins

    Três pessoas são suspeitas de ter cometido o crime que chocou a opinião pública em Parintins. Uma delas, Kelvin Azedo Costa, 24, se apresentou na tarde de hoje com seu advogado e já está em liberdade. Segundo seu advogado, Kelvin não participou da morte do presidiário, mas teria ajudado a ocultar o cadáver, porém vai falar apenas em juízo.

    De acordo com o cabo V. Oliveira, da Polícia Militar de Parintins, a vítima foi um dos participantes ativos da última rebelião no presídio do município, que ocorreu em setembro de 2014. Por conta disso, a suspeita é que a motivação do crime tenha sido um possível acerto de contas.

    “Ainda não podemos confirmar nada, pois estamos aguardando as investigações da PC. Entretanto, ele era morador do bairro Paulo Correa, na Zona Oeste da cidade, que é uma região fortemente dominada por ações que envolvem o tráfico de drogas A suspeita, até o momento, é de acerto de contas”, disse o cabo, que também não descarta a hipótese de uma possível revolta da família de um rapaz morto pelo ex-presidiário anos atrás.

    Leia mais:

    Mais de 50 motoristas são autuados por embriaguez ao volante em Manaus

    Terceirizados da saúde do AM com salários atrasados temem demissões

    Quase 50 mil pessoas já deixaram Manaus neste Carnaval