Fonte: OpenWeather

    Pesquisa


    Cerveja e Ciência: evento leva pesquisadores aos bares de Manaus

    “Com certeza a ciência se torna um assunto mais leve tomando uma cerveja”, disse o aluno de doutorado, André Luís Sousa sobre o Pint of Science, evento mundial que aproxima a ciência da população

    | Foto: Fernanda Farias

    Manaus - A ciência está presente em todos os setores da vida, embora não percebamos. Tudo o que fazemos, seja fazer café na cafeteira ou colocar gelo no suco ou até mesmo o fato de uma maça cair no chão, como bem observou o cientista Isaac Newton, ao descobrir a Teoria da Gravidade, passa pela Ciência. A divulgação das informações científicas descobertas em laboratórios sempre esteve em ambientes solenes e sofisticados. Mas será necessário tudo isso para popularizar a ciência?

    E para tonar assuntos científicos como estes mais próximos da sociedade foi criado o evento mundial “Pint of Science”, que surgiu em 2013 em Londres. E pela primeira vez, Manaus entra na rota que leva os cientistas abordarem suas pesquisas nos bares da cidade.

    Leia também: Gengibre amargo é esperança para cura de úlceras em diabéticos 

    A primeira roda de conversa sobre ciência em Manaus ocorreu com os pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Adalberto Luis Val e Fernanda Werneck, no Imperial Pub, localizado na avenida Efigênio Sales, na Zona Centro-Sul da cidade.

    Mudanças Climáticas 

    “A ciência está em tudo”, afirma o primeiro pesquisador a abordar sua pesquisa no bar da capital, Adalberto Val. Com o tema “As mudanças climáticas e seus efeitos ”, Val falou sobre os principais efeitos da excessiva emissão de gás carbônico na atmosfera e sobre o incentivo à divulgação científica. 

    “Uma das espécies que mais vão sofrer com o aquecimento global, são as espécies de peixes que tem escamas, que são alguns mais consumidos pela população, como o tambaqui e pirarucu. Quando o planeta aquece, as águas dos rios aquecem e o CO2 reage com a água, tornando cada vez mais ácida. Com  águas mais quente e ácidas, os peixes não irão sobreviver”, explica.

    “A ciência está em tudo”, afirma o primeiro pesquisador a abordar sua pesquisa no bar da capital, Adalberto Val
    “A ciência está em tudo”, afirma o primeiro pesquisador a abordar sua pesquisa no bar da capital, Adalberto Val | Foto: Fernanda Farias

    O pesquisador reflete também sobre a pouca importância que a população dá a assuntos relacionados à ciência. Para ele, os institutos de pesquisa e universidades precisam colocar a ciência no colo da sociedade, investir mais em várias formas de divulgação científica.

    “Lembro que quando o Ministério de Cultura foi extinto, a sociedade interviu e dias depois o ministério voltou, porém, quando Ministério de Ciência Tecnologia e Inovação foi extinto, não houve a mesma reação. A população precisa perceber que a ciência é muito importante e imprescindível para o desenvolvimento”, comenta.

    Ciência mais perto da sociedade

    Durante o evento, o pesquisador interagiu com o público que fez perguntas concernentes às mudanças climáticas e afirmam: queremos mais eventos como este em Manaus.

    Para o estudante de doutorado, André Luís Sousa, o conhecimento fica, muitas vezes, voltado apenas para as pessoas que são da área das ciências biológicas, e uma das missões dos pesquisadores é tornar a ciência mais acessível para a sociedade.

    “Uma das espécies que mais vão sofrer com o aquecimento global, são as espécies de peixes que tem escamas, que são alguns mais consumidos pela população, como o tambaqui e pirarucu", diz o pesquisador Adalberto Val
    “Uma das espécies que mais vão sofrer com o aquecimento global, são as espécies de peixes que tem escamas, que são alguns mais consumidos pela população, como o tambaqui e pirarucu", diz o pesquisador Adalberto Val | Foto: divulgação

    “O ‘Pint of Science’ é uma ótima forma de divulgação científica, dentre as diversas forma de divulgar. A ciência se faz presente em tudo na nossa vida e por isso deve ser mais propagada, não apenas nos bares e em eventos específicos, mas em vários lugares, com linguagens diferentes, tudo para tornar as pesquisas mais próximas de todos”, disse.

    De acordo com a gerente do Imperial Pub Raquel Omena, eventos como esse devem ser incentivados na cidade, e assim aproximar as instituições da população. “Porque não colocar na roda de bar temas interessantes como efeitos climáticos, clones, raio x, e produtos naturais? Eu gostaria muito de ter tido aulas assim na faculdade”, brinca.

    Sobre o Pint of Science

    A ideia surgiu depois que dois pesquisadores do Imperial College London, Michael Motskin e Praveen Paul, organizaram um evento chamado Encontro com Pesquisadores, em 2012. Nesse encontro, pessoas com Alzheimer, Parkinson, doenças neuromusculares e esclerose múltipla foram convidadas para conhecer os laboratórios dos cientistas e ver de perto o tipo de pesquisa que realizavam.

    A ideia do 'Pint of Science' surgiu depois que dois pesquisadores do Imperial College London, Michael Motskin e Praveen Paul, organizaram um evento chamado Encontro com Pesquisadores, em 2012.
    A ideia do 'Pint of Science' surgiu depois que dois pesquisadores do Imperial College London, Michael Motskin e Praveen Paul, organizaram um evento chamado Encontro com Pesquisadores, em 2012. | Foto: Fernanda Farias

    A experiência foi tão inspiradora que a dupla decidiu propor um evento em que os pesquisadores pudessem sair das universidades e institutos de pesquisa para conversar diretamente com as pessoas e assim, em maio de 2013, surgiu o Pint of Science.

    Programação

    O ‘Pint of Science’ vai até o dia 16 de maio em todo o mundo. E em Manaus as rodas de conversa acontecem ainda no Imperial Pub, Porão do Alemão e no Vila Hub.

    Nesta quarta (15) no Imperial pub será a vez dos pesquisadores falarem sobre “Biologia sintética: Modificando seres vivos”, com Giovanna Maklouf e Isaac Guerreiros (Ufam- Igem), “Porque o avião voa? Um explicação aplicada ao aerodesign”, com Leonardo Suzuki (UEA - Urutau Aerodesign) e “A pesquisa e a ciência dos projetos de carros”, com Felipe Abraão (UEA - Baja). 

    E no Vila Hub tem um bate-papo sobre “Alimentos processados, o que têm ali?”, com o professor doutor Pedro Henrique Campelo (Ufam), “Alimentação alternativa com alimentos bons, limpos e justos”, com a professora Dionisia Nagahama (Inpa).

    Programação completa acesse o site do evento aqui. 

    Leia também:

    Aplicativo já recebeu mais de 370 denúncias de crimes ambientais no AM 

    Inpa desenvolve projeto para transformar óleo de cozinha em sabão

    Fapeam aumenta cota de apoio para iniciação científica no Amazonas