Fonte: OpenWeather

    Ciência e Tecnologia


    Crianças criam start ups em aulas de empreendedorismo

    Os pequenos gênios simulam, em jogo, a apresentação de pitchs para validar as ideias de empresas criadas por eles durante aulas do curso de robótica

    As criações fazem parte da disciplina de Empreendedorismo do curso de robótica.
    As criações fazem parte da disciplina de Empreendedorismo do curso de robótica. | Foto: Divulgação

    Manaus -No ritmo acelerado de um mercado em constante transformação, crianças de oito a nove anos tomam o lugar dos adultos e mostram que sabem empreender. Foi o que aconteceu com os alunos do curso de robótica da escola Manaós Tech for Kids. Meninos e meninas criaram start ups, simulando empresas que podem vir a se tornar grandes negócios. As criações fazem parte da disciplina de Empreendedorismo do curso de robótica.  

    “São aulas nas quais as crianças participam de um jogo pra desenvolver habilidades de empreendedores e como resultados, tivemos a apresentação das seguintes start ups: Uma cafeteria, um estúdio de animação, uma empresa de aviões, uma escola de robótica, uma empresa de vídeos e uma empresa de computadores. Os alunos são muito talentos, criativos e superaram as nossas expectativas”, declara o professor de robótica, Pedro Cabral.

    Empreendedorismo

    O professor explica que a disciplina de Empreendedorismo é baseada no jogo de RPG (Role-playing game; sigla em inglês que em Português significa “jogo de representação” ou de “interpretação de papeis”), com rodadas de negócios e o professor comanda o jogo representando o papel de banco, consultor e mediador.

    “Os ‘jogadores’ são os alunos que apresentam os pitchs (apresentação direta e curta com o objetivo de vender a ideia da start up para um possível investidor) de suas empresas. Eles precisam convencer os investidores de que aquele negócio é viável e vale a pena investir”, acrescenta Pedro Cabral.

    Durante as apresentações, os alunos também mostraram conhecimento em contratos empresariais, patrocínios, venda de empresas, lucros, prejuízos, concorrência e, principalmente, as decisões a serem tomadas que definem o futuro das empresas no ‘jogo’.

    Para o pequeno ‘empreendedor’, Júlio César Santiago de Oliveira, 11 anos, que foi o orador da turma, apresentou a empresa: Ideias a Bordo – Indústria de Animação.

    “A ideia surgiu depois que eu assisti a um filme em um canal de animação. Seria uma produtora exclusiva para campanhas publicitárias e todo tipo de comercial de animação”, esclarece o aluno que deseja seguir a carreira de engenheiro em mecatrônica quando crescer.

    Julio destaca ainda que depois das aulas de robótica, conseguiu melhorar muito as notas na escola regular e obteve a maior nota do semestre. “Sempre fui apaixonado por tecnologia e mecatrônica e antes mesmo de conhecer a Manaós Tech, eu já queria estudar em alguma coisa que envolvesse robótica e quando entrei na escola de robótica, foi amor à primeira vista”, revela o pequeno gênio.

    Brincando de gente grande

     A matéria de Empreendedorismo faz parte das aulas do curso de robótica aplicado pela escola Manaós Tech for Kids que trabalha, junto com os alunos, a didática educacional aliada à tecnologia envolvendo também as disciplinas de: Criação de games 2D e 3D, criação de robôs, programação de games, mecânica, eletrônica, criação de aplicativos (app) e edição de vídeos para o Youtube.

    “Basicamente, para a disciplina de Empreendedorismo, usamos a metodologia “zero to hero” que é muito utilizado em start ups reais e que, nada mais é do que você sair do zero e chegar a algo maduro para se apresentar aos investidores. As etapas são: Zero, ideia, validação do problema, em seguida vem a etapa de prototipagem (MVP) e a criação dos pitchs. Então, os alunos criam os pitchs apresentando como se fosse para um investidor ou cliente real”, ressalta o CEO da Manaós Tech, Glauco Aguiar, ao destacar que “a escola está com matrículas abertas para a descoberta de pequenos gênios que possam vir a ser os futuros empreendedores a movimentar a Amazônia”.  

     Leia mais:

    Vergonha nacional: municípios amazonenses na berlinda

    Circuito da Ciência do Inpa explora interação com a natureza

    Invasão de jacarés assusta moradores na Zona Norte de Manaus