Fonte: OpenWeather

    Pesquisa


    Técnicas computacionais podem contribuir para tratamento de câncer

    As nanopartículas podem ser usadas na terapia de hipertermia para aprimorar a absorção localizada de energia proveniente de fontes externas

    A técnica pretende avaliar o desenvolvimento de uma ferramenta computacional com base estatística | Foto: Arquivo Pessoal

    Manaus - Um estudo do Amazonas avalia o desenvolvimento de uma ferramenta computacional com base estatística capaz de estimar parâmetros de modelos matemáticos, que representem a dinâmica do crescimento de células tumorais submetido ao tratamento em conjunto da hipertermia e quimioterapia.

    A pesquisa, que ainda está em andamento, faz parte da pesquisa intitulada "Estimativa de Parâmetros no Tratamento de Hipertermia”, desenvolvida pelo doutorando Nilton Silva com apoio a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

    O pesquisador afirmou que a pesquisa tem uma extrema importância para tratamentos como a quimioterapia e radioterapia. O estudo tem grande potencial para o prognóstico e o tratamento do câncer.

    Utilização de nanopartículas metálicas é uma das vantagens da pesquisa
    Utilização de nanopartículas metálicas é uma das vantagens da pesquisa | Foto: Arquivo Pessoal

    “O tratamento de câncer por hipertermia envolve o aquecimento de células tumorais objetivando torná-las mais suscetíveis a outros tipos de tratamentos como a quimioterapia e a radioterapia. A modelagem matemática é vista como um grande passo para o prognóstico e o tratamento do câncer”, disse.

    Produção

    O projeto é desenvolvido pelo Grupo de Biotranferência de Calor, do Laboratório de Transmissão e Tecnologia do Calor (LTTC) no Programa de Engenharia Mecânica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PEM/COPPE/UFRJ), sob orientação do Professor Helcio Rangel Barreto Orlande.  

    A técnica pretende avaliar o desenvolvimento de uma ferramenta computacional com base estatística, capaz de estimar parâmetros de modelos matemáticos que representem a dinâmica do crescimento de células tumorais submetidas ao tratamento conjunto da hipertermia e quimioterapia.

    Resultados

    O estudo gerou artigo publicado no site Nature Scientific Reports, com o título Synthesis, characterization and photothermal analysis of nanostructured hydrides of Pd and PdCeO2.

    Segundo Nilton, os benefícios do estudo são a utilização de nanopartículas metálicas com o objetivo de delimitar a região do dano térmico. “As propriedades fototérmicas de nanocubos de paládio e nanocomposto de paládio-óxido de cério foram caracterizadas”, explica.

    Além do professor Dilson Santos que lidera a pesquisa sobre nanopartículas, também estiveram presentes o Professor Helcio Orlande e do Nilton Silva, o artigo conta com os seguintes autores: Cláudia Cruz e Amanda Castilho do Programa de Engenharia de Nanotecnologia da UFRJ; do professor Cláudio Lenz Cesar, do Instituto de Física da UFRJ; e da professora Viviane Favre-Nicolin do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES).

    Próximos passos

    O pesquisador pontuou que futuramente pretende utilizar outras formas como fonte de calor e produtos de origem amazônica.

    "Atualmente utilizo como fonte de calor para hipertermia uma região de calor infravermelho próximo e podemos estar utilizando outras fontes de calor. E pretendo utilizar produtos de origem amazônica na Associação de Quimioterapia e Hipertermia", explicou. 

    Leia Mais:

    Amazônia tem 5% de suas espécies em risco de extinção

    Projeto do Distrito Bioagroindustrial da Amazônia é aprovado no CAS

    Pesquisadores criam tecnologia para eliminar metal cancerígeno da água