Fonte: OpenWeather

    Meio Ambiente


    Ipaam registrou aumento de 196% nas fiscalizações em 2019

    De acordo com dados do Instituto, os principais ilícitos ambientais identificados são nas atividades de desmatamento, descarte irregular de resíduos sólidos e queimadas.

    A equipe conta com a utilização de um tablet para registro dos ilícitos ambientais detectados em campo | Foto: Divulgação/Ipaam

    Manaus- O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) intensificou durante o ano de 2019 o número de fiscalizações realizadas, obtendo um aumento de 196% em relação ao ano anterior. Em 2018, foram registradas 718 fiscalizações até o mês de novembro, enquanto em 2019 foram realizadas 2.130 fiscalizações ambientais.

    De acordo com dados do Instituto, os principais ilícitos ambientais identificados são nas atividades de desmatamento, descarte irregular de resíduos sólidos e queimadas. As ações de fiscalizações se concentraram na área da Região Metropolitana de Manaus (RMM) e no sul do Estado.

    De acordo com o diretor-presidente do Ipaam, Juliano Valente, o aumento das fiscalizações é uma resposta do trabalho que vem sendo desenvolvido com responsabilidade desde o início da nova gestão do órgão.  “Uma das nossas prioridades é combater os ilícitos ambientais que muitos ainda insistem em cometer em nosso Estado e contamos com a população para denunciar qualquer forma de crime ambiental”, disse o diretor.

    Valente destacou ainda que esse aumento se deve ao fato do órgão ter reforçado o uso de ferramentas geotecnológicas (sensoriamento remoto, geoprocessamento e banco de dados espacial) durante o segundo semestre deste ano. “A ferramenta adotada pelo órgão criou um cenário no qual foi possível identificar e mapear as áreas onde ocorreram os crimes ambientais, melhorando o desempenho do trabalho de monitoramento e fiscalização no Estado”.

    Ferramenta 

    O órgão também iniciou, durante este segundo semestre do ano, o uso de uma ferramenta tecnológica que facilita a emissão dos autos de infrações em campo. Os fiscais não precisam mais voltar na sede do órgão para lavrar o auto de infração, na mesma hora que a irregularidade é identificada, são tomadas as medidas administrativas cabíveis.

    A equipe conta com a utilização de um tablet para registro dos ilícitos ambientais detectados em campo, além de uma mini-impressora portátil para a emissão do auto de infração.

    Multas

    Durante este ano, o valor arrecadado em multas por danos ambientais foi de R$ 19.973.688,09 , enquanto que em 2018 o valor coletado foi de R$ 10.286.806,00.

    Em 2017 o órgão realizou 1421 fiscalizações, sendo 1.302 até o mês de novembro. Já em 2016, o número foi maior, sendo 1.415 fiscalizações até novembro, registrando o número de 1.505 durante o ano inteiro.

    *Com informações da assessoria