Fonte: OpenWeather

    Estudos


    Pesquisadores italianos visitam coleção de besouros do Inpa em Manaus

    Na manhã desta sexta-feira (2), às 9h, na sala de pós-graduação da Entomologia do Inpa, os pesquisadores realizarão as palestras “A Copa do Mundo” e “O pequeno é bonito”

    Manaus - Especialistas renomados no grupo de besouros da família Buprestidae, do gênero Agrilus, os pesquisadores Gianfranco Curletti e Letizia Migliore, visitam as Coleções de Insetos do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) para contribuir com as identificações das espécies do acervo amazônico.

    O pesquisador Curletti do Museu de História Natural de Carmagnola, próximo à cidade de Turim, na Itália, e a doutoranda Migliore da Universidade de São Paulo (USP), Museu de Zoologia, vieram ao Inpa a convite do pesquisador e entomólogo José Albertino Rafael, por meio do projeto Rede Bia, Rede Bionorte, da qual o pesquisador é coordenador. O objetivo do projeto é contribuir para ampliar o conhecimento da diversidade de insetos, neste caso de besouros da Amazônia.

    Além das coleções de insetos encontradas no Inpa, Curletti e Migliore ainda estiveram por cinco dias na Reserva Experimental de Silvicultura Tropical para coletas adicionais e conhecer os ambientes naturais das espécies. Para compartilhar as informações sobre o grupo de trabalho estudado por eles e a experiência deles na Amazônia, os pesquisadores realizarão as palestras “A Copa do Mundo” e “O pequeno é bonito”.

    Leia também: Peixes-bois são soltos nos rios da Amazônia após avaliação clínica

    O evento está programado para esta sexta-feira (2), às 9h, na sala de aula do Programa de Pós-Graduação da Entomologia do Inpa, localizada no Campus 2 (rua Bem-te-vi, Petrópolis). A entrada é gratuita e aberta aos interessados no assunto.

    Com cerca de três mil espécies conhecidas e espalhados pelo mundo, os Buprestidae compreendem uma família muito rica em espécies. Curletti afirma, no entanto, que a maioria das espécies encontradas nas Coleções dos museus estrangeiros, como de Paris, Londres, Praga e outras, é de espécies da Mata Atlântica.

    “Aqui, na Amazônia, o material permanece pouco estudado. Há muito a descobrir”, diz Curletti ao acrescentar que a Coleção do Inpa é uma das “mais belas e mais bem conservadas do país”.

    Para o pesquisador José Albertino, a vinda dos pesquisadores ao Inpa, além de tornar o acervo mais valorizado por conta das identificações, torna a Coleção do Instituto mais conhecida internacionalmente. “As identificações que eles estão fazendo nesse acervo são extremamente valiosas para estudantes e outros interessados no grupo, pois servirá de base para futuras pesquisas e algo para se comemorar”, vibra.

    Na opinião de José Albertino, a visita dos pesquisadores abre a possibilidade de colaborações mútuas que pode se prolongar por muito tempo e envolver alunos de pós-graduação. Isso porque o homem tem a obrigação ética de conhecer todas as espécies com as quais convive e de conhecer a sua função na natureza;

    “A parceria não significa que nós temos que ir até a Instituição deles. Significa que nós temos que alimentar esses pesquisadores com o fruto do nosso trabalho aqui, com as coletas que a gente vem fazendo e que eles estão contribuindo com as identificações, enriquecendo o nosso acervo”, ressalta.

    Curletti diz esperar que se inicie essa rede de colaboração, já que com um número maior de especialistas será possível avançar no conhecimento da diversidade de insetos amazônicos. “O mundo dos insetos é algo grande e não há uma pessoa que possa conhecer todas as espécies, é impossível. Então, é importante que os especialistas, de cada grupo, espalhados ao redor do mundo colaborem uns com os outros”, sinaliza Curletti.  

    Para explicar a importância das coleções do Inpa, o entomólogo italiano faz uma analogia delas com os livros da biblioteca. Segundo ele, as coleções são um testemunho do que é a fauna hoje e como já foi no passado. “Nas coleções há material antigo, coletado no passado, e isso é muito valioso para entender o que havia anteriormente (e o que ainda há hoje), o que coletamos hoje, além de servir para os estudos atuais, servirá para estudos futuros, assim como os livros”, acredita.


    Leia mais:

    Lançado projeto para reconhecer a qualidade do pirarucu de Mamirauá

    'Floresta em Pé' apoia projetos de geração de renda sustentável no AM

    Conjunto Mundo Novo recebe oficina de puff com garrafa PET