Fonte: OpenWeather

    Pesquisa Amazonense


    Pesquisador do Instituto Mamirauá recebe prêmio no Reino Unido

    Evento é considerado um dos mais importantes no campo estudantil. Edição desse ano aconteceu na Universidade de Cambridge

    A conferência ocorreu entre os dias 27 e 29 de março de 2018 | Foto: Divulgação

    Manaus - Pesquisadores associados do Instituto Mamirauá participaram, na última semana, da 19° Student Conference on Conservation Science (SCCS). Realizado na Universidade de Cambridge, Reino Unido, o evento reuniu pesquisadores e especialistas de diversas instituições para palestras, exposições, workshops, entre outras atividades. A conferência ocorreu entre os dias 27 e 29 de março de 2018.

    Com vasta experiência em pesquisas sobre biodiversidade, manejo e conservação dos recursos naturais na Amazônia, o trabalho do Instituto Mamirauá, unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), foi apresentado pelos pesquisadores na seção “Who is who in Conservation? ”. Na exposição, foi destacada a atuação de grupos de pesquisa nas Reservas de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá e Amanã, estado do Amazonas.

    Leia também: Ninhos de jacarés são descobertos em Ilhas fluviais na Amazônia

    Para o pesquisador Felipe Ennes, a participação no evento foi bastante positiva, por proporcionar uma rede de contatos fantástica. Felipe apresentou novas informações sobre a distribuição geográfica do uacari-branco (Cacajao calvus calvus).

    Os dados da pesquisa apontam a espécie como especialistas em florestas inundadas. Além de Felipe, participaram do evento, os pesquisadores associados Thais Morcatty, Guilherme Alvarenga, Hani Bizri e Jonas Gonçalves.  

    Mestre em Ecologia, Thais Morcatty apresentou pesquisa que busca compreender a caça de tartarugas de água doce na Amazônia Central. Os resultados do estudo, baseado em monitoramento participativo realizado por quatorze anos, apontam a eficácia do envolvimento comunitário para conservação das espécies de quelônios na região.

    O pesquisador Hani Bizri apresentou os resultados de sua pesquisa sobre o ciclo reprodutivo das pacas (Cuniculus paca) e a vulnerabilidade dessa espécie, umas das espécies caçadas para subsistência na Amazônia.

    O estudo apontou que as taxas de gravidez se correlacionaram significativamente com a disponibilidade de frutos, enquanto as taxas de gravidez e caça foram positivamente associadas ao nível da água do rio. O trabalho de Hani recebeu o prêmio de segundo melhor pôster da conferência.

    Jonas Gonçalves foi selecionado para fazer um estágio na Universidade de Cambridge. Durante um mês, o pesquisador analisará dados coletados pelo Instituto Mamirauá e outros colaboradores do Brasil e Peru. “A ideia é que, ao final dessa colaboração, tenhamos como fruto mais uma publicação científica, com foco no uso do conhecimento tradicional no monitoramento de fauna”, afirmou.  

    Leia mais:

    Projeto que autoriza cultivo de cana na Amazônia é votado nesta terça 

    Oceanos recebem 25 milhões de toneladas de lixo ao ano, revela estudo 

    IBDN realiza ato e pede fim do lixo nos igarapés de Manaus