Fonte: OpenWeather

    programa


    Programa prolonga a vida útil de equipamentos para educação indígena

    Programa Descarte Correto prolonga a vida útil de computadores e equipamentos para que eles sirvam no aprendizado de pessoas em Manaus e no interior do Estado

    Programa Descarte Correto prolonga a vida útil de computadores e equipamentos | Foto: Reprodução/ Facebook

    Manaus - Não é de hoje, que a educação tecnológica em espaços comunitários é levada a comunidades de baixa renda e indígenas onde atrai a atenção de parte do mundo. Pensando nisso, e com o objetivo de transformar o que seria lixo em oportunidade de aprendizado, o Programa Descarte Correto já está presente em 16 comunidades de Manaus e no interior.

    Conforme o idealizador do projeto, Alessandro Dinelli, o número de pessoas beneficiadas nas 16 comunidades onde o programa se estabeleceu, é de 800 pessoas. “Além disto, temos a questão social, que gera inspiração a cada momento, realizando a transformação do que poderia ser lixo em ferramentas de educação profissional e ambiental, disseminando ainda um desenvolvimento sustentável por meio da economia circular”, explicou.

    Idealizador do projeto, Alessandro Dinelli, diz que sente orgulho de ajudar etnias indígenas a se estabelecerem no mercado de trabalho
    Idealizador do projeto, Alessandro Dinelli, diz que sente orgulho de ajudar etnias indígenas a se estabelecerem no mercado de trabalho | Foto: Reprodução

    Recentemente inaugurada, a comunidade Mosaico, localizada em Novo Airão (a 180 quilômetros de Manaus), possui 26 computadores que servem para o ensino de diversos cursos, como Windows, Photoshop, digitação, hotelaria, telemarketing, técnicas em vendas, informática, entre outros.

    Leia também: Evento com foco em Inteligência Artificial é promovido em Manaus

    Além de Manaus e Novo Airão, o projeto é instalado em Parintins, Maués e Manicoré. Há ainda a previsão de dois novos polos em Roraima. “Queremos oferecer oportunidade para todas as pessoas e ajudar os locais onde o projeto está instalado. Ver diversas etnias indígenas se apropriando da tecnologia, me fez pensar em quanto podemos fazer um mundo melhor”, finaliza Dinelli.

    O programa proporciona a intensificação do processo de promoção da inclusão digital no Brasil, aliada à qualificação profissional e educação socioambiental. Ao prolongar a vida útil dos computadores e equipamentos, consegue-se a redução de destinação dos resíduos eletrônicos a aterros sanitários e extração de novas matérias-primas da natureza.

    Desde 2011, quando o projeto foi iniciado, cerca de 5 mil pessoas foram beneficiadas. O valor do investimento pode chegar a R$ 50, inscrições e mais informações podem ser obtidas por meio dos contatos: (92) 99147-8602.

    Leia mais: