Fonte: OpenWeather

    coletiva


    Após reunião com Kim, Trump diz que sanções seguem valendo

    O presidente americano afirmou que a retirada das armas nucleares é imediata, mas foi negativo em outros pontos da reunião

    De acordo com Trump, será provavelmente necessário realizar mais um encontro com o líder norte-coreano para tratar de detalhes da iniciativa | Foto: Divulgação/Veja

    Cingapura - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira (12) que teve um dia "muito intenso", no encontro com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, em Cingapura. Trump disse que as duas partes assinaram "um documento muito abrangente", que prevê o fim das armas nucleares na Península Coreana, mas ressaltou que por enquanto as sanções contra o regime de Pyongyang seguem em vigor.

    "Estamos preparados para iniciar um novo capítulo entre nossas nações", disse Trump durante entrevista coletiva, ainda em Cingapura. Segundo ele, o governo americano segue atento aos passos da Coreia do Norte, mas o acordo é um esforço válido para buscar a paz.

    Leia também: China e EUA podem declarar guerra econômica e mudar rotas comerciais

    Trump ainda comentou que a Guerra da Coreia "em breve será encerrada". O confronto entre as Coreias, que foi de 1950 a 1953, terminou em um armistício, não com um acordo de paz formal, o que o presidente americano sugeriu que pode agora conseguir.

    O líder americano afirmou que, como um gesto de boa vontade com a Coreia do Norte, os EUA deixarão de realizar exercícios militares na região, uma demanda antiga do regime norte-coreano.

    Ele admitiu que esses exercícios são "uma situação de provocação" e disse que o fim deles permitirá economizar milhões de dólares, mas ressaltou que não será reduzida a capacidade nuclear. Lembrou ainda que deseja retirar soldados do exterior e levar de volta aos EUA, mencionando os milhares de militares americanos atualmente na Coreia do Sul.

    Trump afirmou que no primeiro passo, desenvolveu uma relação uma relação muito boa com o líder norte-coreano
    Trump afirmou que no primeiro passo, desenvolveu uma relação uma relação muito boa com o líder norte-coreano | Foto: Divulgação/Fox News

    Trump enfatizou que o acordo com a Coreia do Norte será alvo de verificações, que devem contar com a participação de americanos e de especialistas de outros países. "Kim iniciará um processo que tornará as pessoas muito felizes e seguras", disse. O presidente anunciou que o regime norte-coreano já concordou em destruir um grande local de testes de motores de mísseis e em fechar seus locais de testes nucleares.

    Prazo nuclear

    Questionado sobre prazos, Trump apontou que isso não está ainda fechado. Segundo ele, os norte-coreanos começarão "imediatamente" a destruir suas armas nucleares. Trump disse que cientistas explicam que esse processo pode levar bastante tempo, mas que as sanções podem começar a ser retiradas assim que a Coreia do Norte chegar a um ponto em que não possa mais recuar da iniciativa.

    "Vamos retirar sanções assim que percebermos que as armas nucleares já não têm efeito." O presidente disse também que não houve "tempo" no dia de hoje para fechar um acordo sobre detalhes para acabar com as armas nucleares com Kim.

    De acordo com Trump, será provavelmente necessário realizar mais um encontro com o líder norte-coreano para tratar de detalhes da iniciativa. Ele disse ainda que, na próxima semana, autoridades americanas devem discutir com Pyongyang como colocar as mudanças em prática.

    "Não se pode garantir nada, mas posso dizer que a Coreia do Norte quer fazer o acordo." O presidente disse ainda que desenvolveu uma relação "muito boa" com Kim, durante o encontro.

    Além do que consta no documento final assinado, outros temas foram negociados, explicou. Trump agradeceu aos líderes de Coreia do Sul, Japão e China por seu envolvimento para que houvesse avanços no diálogo com Pyongyang.

    Trump diz ter falado pouco sobre direitos humanos na reunião
    Trump diz ter falado pouco sobre direitos humanos na reunião | Foto: Divulgação/ABC

    Direitos Humanos

    Perguntado sobre a questão dos direitos humanos na Coreia do Norte, inicialmente Trump disse que o tema foi levantado "de modo relativamente breve" com Kim. Mais adiante, afirmou que o tema foi discutido de maneira mais prolongada, notando que a situação no país "é bastante dura, sem dúvida".

    De acordo com ele, a Coreia do Norte concordou em devolver os restos mortais de pessoas mortas em conflitos, como na Guerra da Coreia. Ele lembrou que essa é uma demanda antiga do Japão e que ouve frequentemente esse pedido de familiares de militares que morreram em território norte-coreano.

    Sobre os custos do processo de desnuclearização, Trump disse que a Coreia do Sul e o Japão terão de ajudar e que os EUA também devem colaborar. Segundo ele, a Coreia do Norte possui um arsenal "substancial" de armas nucleares. Trump disse que pode ser que a tentativa de paz fracasse, mas se disse otimista quanto ao compromisso do regime do país asiático.

    A respeito do futuro da Coreia do Norte, Trump afirmou que caberá aos norte-coreanos decidir que modelo pretendem seguir, citando que o país tem praias e poderia construir hotéis e receber clientes da região. "Pense nisso da perspectiva imobiliária", comentou ele, que fez sua carreira nos negócios como empresário no setor.

    O presidente americano revelou que, na semana passada, estavam prontas novas sanções contra a Coreia do Norte, mas ele optou por não impô-las. O argumento foi de que seria "desrespeitoso" fazer isso às vésperas da cúpula com Kim. Trump afirmou ainda que os EUA impuseram "sanções brutais" contra o Irã, após os americanos abandonarem o acordo internacional sobre o programa nuclear de Teerã.

    Para Trump, isso pode levar os iranianos a negociar um acordo melhor que o atual, fechado durante o governo do ex-presidente Barack Obama. "O Irã é um país diferente agora do que há três ou quatro meses, não estão tão confiantes", avaliou.

    Leia mais

    Coreia do Norte considera novas sanções americanas 'um ato de guerra'

    No Twitter, Trump anuncia primeira mulher no comando da CIA

    Corrida por apoio global contra a Coreia do Norte