Epidemia


China espera ter coronavírus sob controle no fim de abril

Casos começaram a diminuir em 15 de fevereiro, diz médico

Mais de 32.400 pessoas já receberam alta após superar a doença | Foto: Divulgação

A China espera ter o surto do novo coronavírus (Covid-19) sob controle no fim de abril, disse nesta quinta-feira (27) o chefe da equipe de médicos especialistas da Comissão Nacional de Saúde da China, o pneumologista Zhong Nanshan.

"A China está confiante de que vai controlar o surto, em termos gerais, até o fim de abril", disse Zhong, em entrevista em Cantão, a capital da província de Guangdong.

Ele garantiu que, "embora tenha havido grande surto em Wuhan, a doença não se espalhou de forma maciça em outras cidades".

O especialista em doenças respiratórias disse que o número de casos na China começou a diminuir após 15 de fevereiro, "devido à forte intervenção do Estado" e aos "cancelamentos de viagens após as férias do Ano Novo Lunar", entre 24 e 30 de janeiro, mas que foram prolongadas para evitar a propagação da doença.

Casos confirmados do novo coronavírus

Segundo os dados atualizados pela Comissão Nacional de Saúde da China, até a meia-noite de hoje (16h de quarta-feira em Lisboa), a China somava um total de 2.744 mortos e 78.497 casos confirmados.

Entre os casos confirmados, 43.258 ainda estão ativos e 8.346 encontram-se em estado grave. Mais de 32.400 pessoas já receberam alta após superar a doença.

Zhong disse que as previsões de alguns especialistas estrangeiros, que estimaram que o número de casos na China ia atingir os 160 mil, "não levaram em conta a intervenção do governo chinês".

"A nossa equipa previu que o número de pacientes atingisse cerca de 70 mil. Apresentamos esses números a uma publicação internacional, mas não foram aceitos", afirmou.

Zhong disse que a China deve agora "cooperar e partilhar a sua experiência com outros países", diante do rápido aumento de casos na Coreia do Sul, Itália ou no Irã.

O epidemiologista disse ainda que, embora a epidemia tenha começado no país asiático, o primeiro caso de coronavírus pode não ter ocorrido na China.

"Quando fizemos as nossas primeiras previsões, pensamos apenas na China e não em outros países. Mas vemos que surtos estão a ocorrer em outros países. Embora o surto tenha começado na China, isso não significa necessariamente que a China seja a fonte da doença", disse.

As autoridades de saúde chinesas colocaram sob observação 652 mil pessoas, após terem tido contato próximo com os infectados. Mais de 71 mil ainda estão sendo acompanhados.

Na província de Hubei, o epicentro da epidemia, que acumula 84% dos casos e 96% das mortes, o número de novos casos subiu hoje para 409, ao mesmo tempo em que morreram 26 pessoas, a maioria em Wuhan, capital da província.

Embora mais de trinta países tenham casos diagnosticados com Covid-19, a China soma 95% dos casos de infeção pelo novo coronavírus a nível mundial.

O balanço provisório da epidemia do coronavírus, Covid-19, é de 2.800 mortos e mais de 82 mil pessoas infectadas, de acordo com dados de 48 países e territórios.

Das pessoas infectadas, mais de 33 mil se recuperaram.

Além de 2.744 mortos na China, onde o surto começou no fim do ano passado, há registro de mortes no Irã, na Coreia do Sul, Itália, Japão, Filipinas, França, em Hong Kong e Taiwan.

A Organização Mundial da Saúde declarou o surto do Covid-19 emergência de saúde pública de âmbito internacional e alertou para uma eventual pandemia, após um aumento repentino de casos na Itália, Coreia do Sul e no Irã nos últimos dias.