Fonte: OpenWeather

    Pets


    Convivência entre animais e bebês traz benefícios, mas exige cuidados

    Convívio entre crianças e animais de estimação pode trazer inúmeros benefícios para ambos. O Em Tempo dá 5 dicas para a boa convivência em um lar com crianças e animais

    Luiz José, de 4 anos e sua cachorra Bela passeiam todos os dias. Especialistas afirmam que convivência com animais é benéfica para crianças. | Foto: Marcio Melo

    Manaus – Os animais de estimação estão cada vez mais presentes no cotidiano das famílias modernas. Vivendo dentro das casas, participando da rotina, e até dormindo nas camas dos donos. Muitas pessoas consideram os animais de estimação como membros da família, além de serem ótimas companhias para as crianças, que descobrem no “pet”, um amigo inseparável e um parceiro das brincadeiras. Porém, a dúvida dos que desejam ter um animal de estimação é se ele pode trazer danos à saúde das crianças.

    Leia também: Conheça as histórias de quem dedica seu tempo aos animais abandonados

    Cachorro acalma menina cobrindo-a com brinquedos. Vídeos de animais e crianças são verdadeiros “virais” na internet
    Cachorro acalma menina cobrindo-a com brinquedos. Vídeos de animais e crianças são verdadeiros “virais” na internet | Foto: Reprodução/YouTube

    Segundo o pediatra Luiz Afonso Britto, um animal de estimação traz muitos benefícios, ao invés de problemas, para os pequenos.

    “A presença de um animal proporciona a diminuição do estresse, melhora a capacidade afetiva da criança. Além disso, ao correr e brincar com o animal, a criança é estimulada a praticar atividades esportivas ao ar livre”, disse o especialista.

    Luiz José Cardoso, de 4 anos, e a sua cadela "Bela" são inseparáveis. O menino pede para passear com seu cãozinho e, mesmo sendo tão novo, já assume os cuidados com o "pet", como explica sua irmã de 14 anos, Ane Caroline Cardoso.

    “Ele gosta muito de brincar com ela, e todo dia passeamos juntos a pedido dele. Ele também dá água, comida e banho nela”, disse.

    Luiz José de 4 anos passeia todos os dias com sua cadela Bela
    Luiz José de 4 anos passeia todos os dias com sua cadela Bela | Foto: Marcio Melo

    Além de companhias, atualmente, vários cães também possuem “empregos” voltados ao tratamento de crianças em hospitais, conforme diz o adestrador Fábio Gato Lopes. “Hoje em dia muitos cães são usados para terapia, serviço que ajuda crianças em tratamentos dentro de hospitais”, afirmou.

    Para garantir a convivência tranquila e saudável entre os pequenos humanos e seus animais de estimação, é necessário que os adultos da casa fiquem atentos para alguns cuidados fundamentais. A veterinária Mayara Maia, explica que o primeiro passo é garantir a saúde do animal.

    “A primeira recomendação é que a vacinação do animal esteja em dia. É necessário providenciar a vacinação antirrábica e aplicar a vacina viral. O animal também precisa estar bem alimentado e a vermifugação deve ser feita de 3 em 3 meses pelo menos.

    Animais de estimação melhoram a capacidade afetiva da criança, diz pediatra
    Animais de estimação melhoram a capacidade afetiva da criança, diz pediatra | Foto: Marcio Melo

    E os alérgicos e asmáticos?

    Ser alérgico não impede que você tenha um animal em casa, mas é necessário ter uma atenção redobrada. A limpeza periódica do local é essencial para evitar problemas de saúde para os humanos da casa, principalmente, se os mesmos forem alérgicos. A administradora Larissa Thomaz, de 26 anos, é mãe de Lara de 1 ano e 11 meses e dona de Penélope, uma cadela sem raça definida de 3 anos de idade. Ela mora em um apartamento e a higienização da casa e do animal sempre foi a maior preocupação da família.

    “Somos todos alérgicos, então, quando a Lara nasceu, redobramos o cuidado com a limpeza. A cada seis meses nós desinfetamos o apartamento e higienizamos com álcool. Sempre vermifugamos a Penélope e, quando ela está no cio, usa fraldas específicas para cachorros”, pontuou Larissa.

    Evite pelos

    É possível que crianças alérgicas convivam com animais de estimação desde que sejam tomadas as devidas precauções. O pediatra Luiz Afonso Britto afirma que é preciso evitar que a casa fique cheia de pelos.

    “Se a criança for alérgica, é importante deixar o ambiente sempre limpo e evitar os pelos, principalmente, nos ambientes em que os pequenos vão ter mais contato. Todos da casa também devem lavar as mãos depois do contato com os animais e, por fim, garantir que o animal esteja vacinado, vermifugado e desparasitado”.

    “Existe uma grande divergência entre os médicos a respeito do convívio entre animais e crianças asmáticas. Alguns defendem que animais pioram o quadro de asma na criança. Porém, com base em estudos recentes, outros especialistas acreditam que, quanto mais cedo o bebê tiver contato com os animais, mais imunidade vai desenvolver”, pontuou o pediatra.

    Gestantes devem evitar contato com as fezes dos gatos pois a toxoplasmose pode ser transmitida de mãe para feto ainda no útero.
    Gestantes devem evitar contato com as fezes dos gatos pois a toxoplasmose pode ser transmitida de mãe para feto ainda no útero. | Foto: Reprodução

    Alerta na gravidez

    Conforme o especialista Luiz Afonso Britto, a única contraindicação com relação a animais e bebês se dá ainda durante a gestação. Segundo o pediatra, a grávida deve evitar contato com as fezes dos felinos, pois a toxoplasmose pode ser transmitida de mãe para filho no útero.

    “Para manusear a caixinha de areia dos gatos, qualquer pessoa deve utilizar luvas descartáveis. Ao terminar, lavar bem as mãos e depois passar álcool em gel são passos cruciais”.

    Ainda segundo o pediatra, exames durante a gravidez vão confirmar se a gestante tem sorologia negativa para a toxoplasmose. “A sorologia deve ser realizada para ver se a grávida tem anticorpos contra a toxoplasmose. Se não tiver, é recomendável que a gestante evite ao máximo contato com as fezes do gato”, pontuou.

    Evite lambidas no rosto!

    Lambidas no rosto devem ser evitadas pois a flora bacteriana dos animais é diferente da dos humanos, podendo transmitir doenças aos bebês e também aos adultos. Sempre lave as mãos após o contato com os animais de estimação.

    Bebês e animais podem se tornar amigos inseparáveis
    Bebês e animais podem se tornar amigos inseparáveis | Foto: Reprodução

    Procurar um adestrador é fundamental

    Depois de ter tomado todas as precauções de saúde, o segundo passo é procurar um profissional em adestramento (no caso dos cães). Segundo Fábio Gato Lopes, veterinário e adestrador especialista em comportamento canino, o aspecto comportamental do cachorro nunca deve ser negligenciado.

    Conforme a conversa com o adestrador, a reportagem do Em Tempo listou algumas dicas importantes na hora de socializar cachorros e crianças.

    1 – Apresentando o novo bebê em um lar com cachorros

    O primeiro contato entre um bebê e os animais da casa, deve ser realizado sempre com a presença de adultos. O ideal é que o bebê esteja dormindo, ou seja, em seu estado mais calmo.

    “O primeiro contato nunca deve ser feito com o bebê chorando ou muito agitado, por isso, é preferível que o bebê esteja dormindo”.

    2 – Apresentando um novo cachorro em um lar com crianças

    Os pais devem ensinar as crianças a respeitar e não maltratar os animais. Em caso de cães filhotes, orientar os pequenos para evitar carregar o cachorro no colo.

    “Geralmente uma criança de 3 e 5 anos não sabe pegar um filhote no colo. O animal acaba caindo e a consequência é que pode gerar um trauma físico e psicológico no cão. Então, é recomendável que os pais aconselhem a criança a deixar o filhote sempre no chão”.

    3 - Siga as instruções do adestrador

    Ao contratar o adestrador, os adultos devem prestar atenção em todos os ensinamentos do profissional. É importante ensinar o cãozinho a fazer as necessidades no lugar certo, a não pular nas pessoas ou morder na hora de brincar. Além disso, ele vai aprender a forma correta de passear com o cachorro na coleira, como controlar a ansiedade causada pela separação, entre outras dicas.

    “O adestrador vai ensinar a família a desenvolver uma rotina para que o filhote saiba aceitá-la”.

    4 - Nunca adquira um filhote por impulso! Antes pesquise bem sobre raças de cães

    Estima-se que haja mais de 400 raças de cães no mundo. Existem cães de pequeno porte, cães de grande porte, cães de guarda, cães de companhia, cães de trabalho, cães de pastoreio, cães de pelo longo e de pelo curto. Há raças para todo perfil de família, raças que se adaptam a espaços pequenos, que são ideais para terrenos grandes. Além disso, também existem raças que são próprias para fazer companhia às crianças.

    Segundo o adestrador Fábio Lopes, ao pensar em adquirir um novo cãozinho, a melhor raça é aquela que vai se adaptar bem à rotina da família”.

    Cães da raça Chow Chow são reservados e dominantes. Segundo adestrador, muitas pessoas escolhem o cachorro pela beleza e não pesquisam sobre as características comportamentais da raça
    Cães da raça Chow Chow são reservados e dominantes. Segundo adestrador, muitas pessoas escolhem o cachorro pela beleza e não pesquisam sobre as características comportamentais da raça | Foto: Reprodução

    Ainda conforme o especialista, muitas pessoas adquirem o animal pela beleza e acabam descobrindo que as características da raça não combinam com o perfil da família. “Raças como Chow Chow e Sharpei, geralmente, são adquiridas no impulso. Isso porque o filhote é felpudo, fofinho e acabam sendo criados como se fossem cães de pequeno porte, cheios de mimos e sem controle. Porém, essas são raças reservadas e dominantes. Quando o animal cresce e os donos decidem corrigir, o cachorro acaba não aceitando aquele limite que está sendo imposto”.

    Cachorro do filme "Os Batutinhas" é da raça Pit Bull. Segundo o adestrador Fábio Lopes, essa raça é recomendada para crianças por serem carinhosos e terem pela grande tolerância com os pequenos. Ataques acontecem devido à irresponsabilidade de alguns donos que geralmente não procuram um profissional em adestramento.
    Cachorro do filme "Os Batutinhas" é da raça Pit Bull. Segundo o adestrador Fábio Lopes, essa raça é recomendada para crianças por serem carinhosos e terem pela grande tolerância com os pequenos. Ataques acontecem devido à irresponsabilidade de alguns donos que geralmente não procuram um profissional em adestramento. | Foto: Reprodução

    O adestrador afirma ainda que uma das raças ideais para crianças é o Pit Bull. Segundo ele, o cão tem muita energia e é extremamente tolerante com crianças. Casos de ataques de Pit Bulls, geralmente, estão ligados à irresponsabilidade por parte dos donos, que muitas vezes não procuram um profissional.

    5 - Por fim, e não menos importante: Encha seu cãozinho de amor!

    Após ter cumprido todos os requisitos de boa convivência entre o cão e os humanos da casa, o próximo passo é dar muito amor ao seu animalzinho e ter a consciência de que ele faz parte da família agora!

    Dê muito amor ao seu animalzinho, ele faz parte da família
    Dê muito amor ao seu animalzinho, ele faz parte da família | Foto: Marcio Melo

    “Não há motivo para se desfazer de um cão com a chegada de um novo bebê. Se você conseguir ensinar a esse animal quais são os limites dele, vai ficar bem mais fácil o convívio. O ideal é que tudo seja ensinado ao cachorro desde filhote, na fase adulta a convivência vai ser muito mais tranquila. Nenhum cão é problema como muitos classificam. Eles se tornam um incômodo a partir do momento em que essas famílias deixam de fazer algo por ele”, afirmou o adestrador Fábio Lopes.  

    Edição: Bruna Souza

    Leia mais:

    Projeto do Ifam ensina língua inglesa para indígenas em Parintins

    Viu o Caramelo? Mãe e filho pedem ajuda para encontrar cachorro

    Morre em Manaus, Oscarino Varjão, criador do boneco Peteleco