Fonte: OpenWeather

    Pet


    Psicologia felina: veterinária fala das verdades e mitos dos bichanos

    Segundo a profissional, tratar gatos como se fossem cachorros é um erro gritante

    Os gatos são amorosos, apegados e companheiros
    Os gatos são amorosos, apegados e companheiros | Foto: Divulgação


    Manaus - Não é tão simples entender a psicologia dos gatos. Até mesmo para médicos veterinários, que atendem os felinos em seu cotidiano, o desafio ainda é grande. E contrariando o mito que muitas pessoas afirmam aos quatro ventos, gatos não são falsos, traiçoeiros ou egoístas, que amam somente a casa.

    Muito pelo contrário, segundo a médica veterinária Ludimila Andrade, formada pela Escola Superior Batista do Amazonas (ESBAM) e proprietária da Unidade de Saúde Felina, clínica exclusiva para atendimento aos felinos, eles são amorosos, apegados e companheiros. No entanto, sabem expor, com clareza, seus limites. A revista Elenco do m Tempo convidou a veterinária para esclarecer um pouco sobre a psicologia felina, tratamento e amor pelos “bichanos”.

    Alguns dos gatos, por exemplo, não gostam de receber carinho por muito tempo, não gostam de colo por longos momentos
    Alguns dos gatos, por exemplo, não gostam de receber carinho por muito tempo, não gostam de colo por longos momentos | Foto: Divulgação


    De acordo com a veterinária, em primeiro lugar, querer tratar gatos como se fossem cachorros é um erro gritante. As duas espécies são muito diferentes e, em muitos casos, agem de formas diametralmente opostas.

    Segundo ela, alguns dos gatos, por exemplo, não gostam de receber carinho por muito tempo, não gostam de colo por longos momentos.

    “Eles escolhem um humano para ser deles, ou seja, se apegam mais a uma pessoa, e, se essa pessoa, por qualquer motivo, se ausenta, eles sentem bastante. Ou se estão passando por uma crise em casa, sentem também e começam a ter problemas comportamentais, como lambeduras psicogênicas. Isso não tem nada de egoísta, eles são extremamente sensíveis às energias que os cercam”, explica Ludimila.

    Leia também: Conheça a relação entre 'donos' e as 'crianças do mundo pet

    O ideal é seguir uma rotina natural para entender seu animal
    O ideal é seguir uma rotina natural para entender seu animal | Foto: Divulgação


    A veterinária diz que o ideal é seguir uma rotina natural para entender seu animal, desmistificando alguns mitos e verdades sobre os felinos. Ela adianta que respeitar o espaço e o momento do felino; manter seu sanitário limpo, sua água e comida fresca, e seu ambiente o mais próximo do original possível são regras essenciais.

    “Amor e respeito é oferecer o melhor ao seu felino. Visitar o veterinário para uma medicina preventiva é o melhor que você pode fazer ao seu gato, os exames de check up devem ser realizados uma vez ao ano. Vacina e vermifugação são os cuidados mais básicos de todos”, orienta.

    Ludimila Andrande administra a Catshop
    Ludimila Andrande administra a Catshop | Foto:


    Além disso, ela comenta que, já existem muitos brinquedos para enriquecer o dia do felino.

    “Nossa clínica tem uma CATShop, a primeira da Região Norte, cheia de novidades e brinquedos super diferentes, direcionados aos gatos. O enriquecimento ambiental é extremamente importante para evitar doenças, principalmente a obesidade e suas consequências. Um gato ativo é muito mais feliz. O ócio faz com que esse animal não se exercite e aumente as chances de adoecer”, aponta.

    Amor incondicional

    Eduardo Brandão trata Goyard com muita atenção
    Eduardo Brandão trata Goyard com muita atenção | Foto: Arquivo Pessoal


    Dono de Goyard e de Cavalli, dois belos gatos que foram adotados ainda filhotes, o empresário Eduardo Brandão afirma que trata seus “bigodudos” como animais, pois são, mas o seu amor é incondicionalmente humano.

    “São meus companheiros já faz anos. Tem uma portinha no quarto para o livre acesso deles”, conta. Eduardo diz que uma das coisas que mais chamou sua atenção é a enorme percepção dos felinos.

    “Fiz uma cirurgia recentemente, e eles não saíram do meu quarto, parece que sabiam que eu estava enfermo e ficavam sempre por perto”, diz, lembrando que gatos não são bichos de pelúcia. “Eles precisam de cuidados, amor, liberdade e interagir”, conclui.

    Leia mais

    Campeonato de tosadores de cachorro acontece neste domingo em Manaus

    Interação com galinha ajuda no tratamento com paralisia cerebral

    Conheça o Jacaré de estimação de comunidade no Amazonas