Fonte: OpenWeather

    Cotidiano


    Hillary defende fim do embargo a Cuba durante visita à Flórida

    A pré-candidata democrata à Presidência dos EUA Hillary Clinton defendeu, nesta sexta (31), que o Congresso dê fim do embargo econômico imposto a Cuba desde 1962.

    "Eu entendo o ceticismo quanto à reaproximação. Eu mesma já fui cética. Mas não podemos mais esperar que uma política falida traga frutos. Chegamos a um momento decisivo. Temos que apoiar a mudança em uma ilha que precisa desesperadamente de mudança", discursou em Miami, onde mora expressiva parcela da comunidade cubana no país.

    A expectativa é que o tema não seja apreciado pelos congressistas antes das eleições de 2016.

    Hillary afirmou também que, enquanto secretária de Estado (2009 a 2013), diversas vezes encorajou Obama a rever o embargo.

    Ela já defendia o restabelecimento das relações entre Cuba e EUA antes mesmo de o presidente, Barack Obama, começar a negociação com o governo Raúl Castro, em dezembro do ano passado. E que foi ela quem recomendou a política ao presidente.

    A pré-candidata disse que o fim ao embargo é a forma mais eficaz de enfraquecer o regime e alcançar a liberdade.

    Hillary mencionou uma cunhada cubana para elogiar a comunidade que se instalou na Flórida e fez de Miami uma cidade internacional de sucesso, discursou. E disse que o fim do embargo criará oportunidades de negócios. "Soube que até o Airbnb já começou a prospecção no mercado cubano."

    "Vamos deixar que Raúl explique por que quer impedir os negócios de americanos na ilha", afirmou.

    A oposição republicana historicamente se opõe à normalização das relações bilaterais. E dois dos mais proeminentes adversários na disputa pela Casa Branca são da Flórida – o ex-governador Jeb Bush e o senador Marco Rubio.

    Ambos afirmaram que o fim do embargo seria um gesto permissivo dado a um regime autoritário e abusivo.

    Na Flórida, Clinton tem vantagem sobre os dois oponentes republicanos. Ela venceria por 47% a 44% de Rubio e por 47% a 42% de Bush, de acordo com pesquisa da Universidade Quinnipiac de junho.

    A maioria do eleitorado nacional apoia a reaproximação com Cuba. Levantamento do instituto Pew feito entre 14 e 20 de julho mostrou que 73% dos americanos aprovam o restabelecimento da relação diplomática e 72% apoiam o fim do embargo comercial.

    Isolando-se o eleitorado republicano, 56% são favoráveis à reaproximação diplomática e 59% ao fim do embargo, mostrou a pesquisa.

    Hillary disse que os EUA não olham tanto quanto deveriam para a América Latina e têm uma visão equivocada sobre os países ao sul. Mas são, definiu, democracias "vibrantes", mercados consumidores formados por vastas classes médias e dividem valores e interesses com os EUA.

    Por Folhapress