Fonte: OpenWeather

    Cotidiano


    China terá mais 3 milhões de bebês por ano com fim da política de filho único

    O vice-ministro da Comissão Nacional da Saúde e Planejamento Familiar chinês, Wang Peina, estimou hoje (10) em mais de 3 milhões os bebês que nascerão anualmente na China depois da abolição da política de "um casal, um filho".

    A medida, anunciada no mês passado pelo Comitê Central do Partido Comunista Chinês, visa a conter a crescente pressão na economia imposta pelo rápido envelhecimento da sociedade.
    Trata-se de uma ampliação de flexibilização da política de filho único, iniciada em 2014 e que permitia aos casais em que ambos os cônjuges são filhos únicos ter uma segunda criança.

    Mais 90 milhões de mulheres ficam assim autorizadas a ter um segundo filho, mas cerca de metade tem de 40 a 49 anos, o que poderá "constituir um limite ao seu desejo ou capacidade de ter outra criança", lembrou Wang. Algumas poderão se sentir "relutantes", enquanto outras "não estarão aptas a dar à luz", acrescentou.

    Em Pequim, apenas 10% dos casais se inscreveram para ter um segundo filho, desde que, no ano passado, o governo chinês decidiu aliviar a política, imposta em 1980.

    No total, até 2050, a abolição poderá acrescentar 30 milhões de pessoas à população em idade ativa, afirmou o vice-ministro.

    "A curto prazo, a política de dois filhos por casal irá guiar o consumo de habitação, educação, saúde, economia doméstica e as necessidades do dia adia, estimular o investimento em setores relacionados e aumentar a oferta de emprego".

    Wang disse ainda que a medida deverá resultar em um aumento de 0,5% na taxa de crescimento econômico.

    Pelas contas do governo, sem a política de "um casal, um filho", em vez de cerca de 1,35 bilhão de habitantes, a China teria hoje quase 1,7 bilhão.

    Desde a implementação da política "um casal, um filho", os hospitais do país fizeram 336 milhões de abortos e 196 milhões de esterilizações, segundo dados oficiais chineses.

    Para o governo, a política de filho único constitui um mal necessário, permitindo o aumento do Produto Interno Bruto per capita, da esperança média de vida (agora em 75 anos) ou do nível de escolaridade da população.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Número de mortos de atentado duplo na Somália chega a 300

    2. Temer condena ataque terrorista na Somália

    3. Incêndios voltam a atingir Portugal e Espanha e deixam 36 mortos

    4. Trump é intimado a mostrar documentos sobre acusação de assédio sexual

    5. Papa Francisco anuncia sínodo dedicado à Amazônia