Fonte: OpenWeather

    Cotidiano


    Turquia pede frente unida de países muçulmanos contra Estado Islâmico

    O presidente turco, o conservador Recep Tayyip Erdogan, apelou hoje (19) à união de todos os países muçulmanos contra o grupo radical Estado Islâmico, para que os jihadistas não continuem a fazer atentados como os de Paris.

    “Condeno sem reservas os terroristas que creem na mesma religião que eu e apelo a todos os dirigentes dos países muçulmanos que criem uma frente unida”, declarou Erdogan em discurso em Istambul, durante um fórum sobre energia.

    “Se não o fizermos, aqueles que atingiram Ancara atacarão em outros locais, como fizeram em Paris”, afirmou, referindo-se aos ataques de sexta-feira (13) na capital francesa, reivindicados pela organização,  que deixaram 129 mortos.

    Erdogan insistiu na necessidade “de o mundo inteiro cooperar para adotar uma posição que impeça” os terroristas de “baterem em outras portas”.

    “Se o aumento do fanatismo na Europa não for contido, acontecerão novas calamidades”, disse.
    A Turquia foi, durante muito tempo, acusada de ser complacente ou até mesmo de ajudar os grupos rebeldes que combatem o regime de Damasco.

    Sob pressão de aliados e após uma série de atentados atribuídos aos jihadistas em seu território, o governo turco mudou de posição e, desde o verão, juntou-se à coligação internacional que bombardeia o Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

    Depois do atentado em Ancara, em 10 de outubro, que deixou 103 mortos, os turcos têm intensificado as operações nas áreas jihadistas.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Número de mortos de atentado duplo na Somália chega a 300

    2. Temer condena ataque terrorista na Somália

    3. Incêndios voltam a atingir Portugal e Espanha e deixam 36 mortos

    4. Trump é intimado a mostrar documentos sobre acusação de assédio sexual

    5. Papa Francisco anuncia sínodo dedicado à Amazônia