Fonte: OpenWeather

    Cotidiano


    Pré-candidato democrata é punido por acesso irregular a dados de Hillary

    senador Usa
    Como punição, o Comitê Nacional Democrata (DNC, na sigla em inglês) vetou acesso futuro da campanha do senador à base de dados de eleitores em todo o país. - foto: divulgação

    Às vésperas do último debate entre pré-candidatos democratas do ano, o senador Bernie Sanders -segundo colocado na corrida pela nomeação partidária- sofreu um revés com a revelação de que ao menos um membro de sua campanha bisbilhotou informações sobre eleitores da adversária Hillary Clinton, líder disparada da disputa.

    Como punição, o Comitê Nacional Democrata (DNC, na sigla em inglês) vetou acesso futuro da campanha do senador à base de dados de eleitores em todo o país.

    Sanders reagiu acusando o partido de tentar beneficiar a ex-secretária de Estado e o punir desproporcionalmente. A irregularidade foi possível devido a uma falha temporária da empresa que gerencia o banco de dados.

    O chefe da campanha do senador, Jeff Weaver, disse em entrevista a jornalistas nesta sexta-feira (18) que havia demitido o diretor responsável pela área de dados e ameaçou.

    "Anunciamos hoje que, se o DNC continuar a manter nossos dados como reféns e continuar a atacar o coração e a alma da base de nossa campanha, estaremos em um tribunal federal nesta tarde em busca de resposta imediata."

    A presidente do comitê, Debbie Schultz, disse que a campanha de Sanders acessou dados que sabia serem vetados e que o mesmo aconteceria caso a campanha de Hillary o fizesse.

    "É como se você achasse a porta de uma casa aberta e decidisse entrar e levar algumas coisas que não lhe pertencessem", comparou, em entrevista à rede CNN.

    No sábado (19), os pré-candidatos democratas se enfrentarão em debate pela rede de televisão ABC News, às 23h (horário de Brasília).

    Hillary lidera com 55,9% das intenções de voto, seguida por Sanders, com 30,7%, segundo a média das pesquisas contabilizada pelo site "Real Clear Politics". O ex-governador de Maryland Martin O'Malley tem 3,1%.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Número de mortos de atentado duplo na Somália chega a 300

    2. Temer condena ataque terrorista na Somália

    3. Incêndios voltam a atingir Portugal e Espanha e deixam 36 mortos

    4. Trump é intimado a mostrar documentos sobre acusação de assédio sexual

    5. Papa Francisco anuncia sínodo dedicado à Amazônia