Fonte: OpenWeather

    Cotidiano


    Abdeslam confessou a cúmplices participação nos ataques em Paris

    O fugitivo comprou roupa em um supermercado, arranjou um novo celular e raspou o cabelo depois de ter tentado, sem sucesso, pintá-lo num cabeleireiro- foto: divulgação/ Polícia Belga
    O fugitivo comprou roupa em um supermercado, arranjou um novo celular e raspou o cabelo depois de ter tentado, sem sucesso, pintá-lo num cabeleireiro- foto: divulgação/ Polícia Belga

    O belga Salah Abdeslam, alvo de um mandado de prisão por suspeita de envolvimento nos atentados de Paris, confessou aos cúmplices que o ajudaram a fugir que participou do assassinato das 130 pessoas, informou nesta quarta-feira (23) o jornal Le Parisien.

    “Disse ter estado em um carro e ter usado uma arma kalashnikov para matar pessoas”, contou um dos dois cúmplices, que foram detidos e acusados de “assassinato e participação em atividades de uma organização terrorista”.

    Abdeslam acrescentou que deixou propositadamente num carro abandonado o documento de identidade do seu irmão Brahim, que fez parte do chamado ‘comando das esplanadas’, para que fosse conhecido em todo o mundo.

    De acordo com o relato, na viagem para a Bélgica, Abdeslam, de 26 anos, estava “tenso”, dizia que planejava vingar-se pela morte do irmão e que “os franceses iam torturá-lo” se o capturassem.

    O fugitivo comprou roupa em um supermercado, arranjou um novo celular e raspou o cabelo depois de ter tentado, sem sucesso, pintá-lo num cabeleireiro, acrescenta o Le Parisien.

    O diário informa ainda que Abdeslam não foi para o seu bairro de Molenbeek, em Bruxelas, tendo pedido que o conduzissem a Schaerbeerk, nos subúrbios da capital belga, onde o esperava uma terceira pessoa. Ele se despediu dizendo que não voltariam a vê-lo.

    Os atentados do dia 13 de novembro em Paris, reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico, deixaram 130 mortos e centenas de feridos.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Número de mortos de atentado duplo na Somália chega a 300

    2. Temer condena ataque terrorista na Somália

    3. Incêndios voltam a atingir Portugal e Espanha e deixam 36 mortos

    4. Trump é intimado a mostrar documentos sobre acusação de assédio sexual

    5. Papa Francisco anuncia sínodo dedicado à Amazônia