Fonte: OpenWeather

    Cotidiano


    Polícia usa gás lacrimogêneo em protesto do Dia do Trabalho em Paris

    A polícia estima que cerca de 17 mil manifestantes protestaram pela capital francesa contra as reformas trabalhistas que serão votadas na próxima terça-feira (3) - foto: divulgação
    A polícia estima que cerca de 17 mil manifestantes protestaram pela capital francesa contra as reformas trabalhistas que serão votadas na próxima terça-feira (3) - foto: divulgação

    A polícia francesa lançou gás lacrimogêneo em manifestantes na concentração do 1º de maio, Dia do Trabalho, em Paris. Havia nuvens de gás sobre a Place de la Nation, onde jovens usavam máscaras de esqui e atiravam pedras e garrafas em policiais gritando palavras de ordem.

    A polícia estima que cerca de 17 mil manifestantes protestaram pela capital francesa contra as reformas trabalhistas que serão votadas na próxima terça-feira (3). O protesto foi o segundo em uma semana a terminar em violência, protagonizada por pessoas conhecidas como casseurs (destruidores), que enfrentam as forças de segurança.

    “Vamos responder com a maior das determinações a estes desordeiros. Os ataques e a violência contra as forças de segurança são inaceitáveis”, disse hoje o primeiro-ministro francês, Manuel Valls.

    O governo espera que as reformas trabalhistas reduzam o desemprego de longa duração em cerca de 10%, mas os críticos dizem que as mudanças ameaçam direitos dos trabalhadores, tornando mais fácil demissões em tempos de dificuldades.

    O Executivo já suavizou a lei, mas isso não foi suficiente para acalmar a indignação de estudantes e trabalhadores. “Retirem, retirem a lei do trabalho. Não é alterável, não é negociável”, gritaram os manifestantes.

    Por  Agência Lusa via Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Número de mortos de atentado duplo na Somália chega a 300

    2. Temer condena ataque terrorista na Somália

    3. Incêndios voltam a atingir Portugal e Espanha e deixam 36 mortos

    4. Trump é intimado a mostrar documentos sobre acusação de assédio sexual

    5. Papa Francisco anuncia sínodo dedicado à Amazônia