Fonte: OpenWeather

    Cotidiano


    Caso de promotor encontrado morto volta à Justiça Federal da Argentina

    A Corte Suprema argentina decidiu, por unanimidade, que o caso da morte do promotor Alberto Nisman, encontrado sem vida em seu apartamento em janeiro de 2015, voltará de forma definitiva à Justiça Federal. As circunstâncias da morte nunca foram esclarecidas.

    Há sete meses, se discute na Justiça onde o processo deve ser analisado. Em março, os autos haviam sido remetidos à esfera federal após dois magistrados considerarem plausível a hipótese de assassinato.

    Em junho, entretanto, na segunda instância, uma comissão formada por três juízes afirmou que não existiam indícios suficientes para deduzir que o promotor tinha sido morto por seu trabalho e, por isso, a causa caberia à Justiça de Buenos Aires.

    Agora, a Corte Suprema decidiu que o caso deve voltar à esfera federal devido à sua gravidade institucional.

    O corpo de Nisman foi encontrado quatro dias após ele ter denunciado a então presidente, Cristina Kirchner, por supostamente encobrir o envolvimento do Irã no ataque terrorista à entidade judaica Amia (Associação Mutual Israelita Argentina). O atentado deixou 85 mortos em 1994.

    A hipótese do homicídio é defendida pela família de Nisman, representada por sua ex-mulher, a juíza Sandra Arroyo Salgado. Inicialmente, a Promotoria e a Polícia Federal defendiam que o promotor tinha se suicidado.

    Salgado vinha pedindo para que a Justiça Federal ficasse responsável pela investigação desde o ano passado, pois considerava que Viviana Fein, primeira promotora a assumir o caso, era parcial ao considerar apenas a hipótese de suicídio.

    Fein, que se aposentou, afirmou em maio ser "muito provável" que Nisman tenha sido induzido ao suicídio.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Número de mortos de atentado duplo na Somália chega a 300

    2. Temer condena ataque terrorista na Somália

    3. Incêndios voltam a atingir Portugal e Espanha e deixam 36 mortos

    4. Trump é intimado a mostrar documentos sobre acusação de assédio sexual

    5. Papa Francisco anuncia sínodo dedicado à Amazônia