Fonte: OpenWeather

    Cotidiano


    Hollande promete fim do campo de refugiados em Calais

    Hollande prometeu acabar com o campo de refugiados em Calais, na França - foto: divulgação
    Hollande prometeu acabar com o campo de refugiados em Calais, na França - foto: divulgação

    O presidente da França, François Hollande, prometeu nesta segunda-feira (26), durante visita a Calais, que os campos de refugiados na região que abrigam cerca de 10 mil pessoas devem ser desativados até o final do ano. As informações são da Agência Ansa.

    "Devemos desmantelar completamente, de forma definitiva, os campos", disse o mandatário pouco após chegar ao local, pedindo ajuda das autoridades de Londres.

    "Só porque o Reino Unido tomou uma decisão soberana, não significa que não tenha obrigações com a França", apontou.

    Ainda segundo Hollande, trata-se de uma emergência humanitária. "A situação é inaceitável e todos aqui sabem disso", acrescentou.

    Na semana passada teve início a construção de um muro em Calais, no Norte da França, para dificultar a entrada de imigrantes ilegais no Reino Unido pelo Canal da Mancha. Apelidado de Selva de Calais, o campo abriga entre 7 mil e 10 mil pessoas.

    Em entrevista ao jornal Le Monde na semana passada, Hollande explicou que mais de 100 centros de acolhimento temporários se dispuseram a receber essas pessoas, que poderão solicitar asilo no país. Muitos dos refugiados, no entanto, preferem tentar entrar no Reino Unido do que permanecer na França.

    O desmantelamento do campo é um dos principais temas da campanha eleitoral para as eleições do próximo ano e o local foi visitado na semana passado pelo ex-líder Nicolas Sarkozy, que quer concorrer com Hollande pela liderança do Palácio do Eliseu.

    Por Agência Ansa

    Mais lidas

    1. Amazonas Em Tempo: 30 anos de comunicação em evolução

    2. Número de mortos de atentado duplo na Somália chega a 300

    3. Temer condena ataque terrorista na Somália

    4. Incêndios voltam a atingir Portugal e Espanha e deixam 36 mortos

    5. Trump é intimado a mostrar documentos sobre acusação de assédio sexual