Fonte: OpenWeather

    Cotidiano


    França estima em mais de 75 mil os computadores infectados em todo mundo

    A Promotoria de Paris já tinha aberto uma investigação sobre este assunto pela intrusão em sistemas de tratamento automatizado de dados - fotos: Divulgação

    A polícia francesa estimou neste sábado que mais de 75 mil computadores foram infectados em todo o mundo pelos ciberataques registrados em aproximadamente 100 países, nesta sexta-feira (12).

    Em um boletim de prevenção, a Polícia Nacional indicou que os primeiros ataques se dirigiram contra o sistema de saúde britânico, bem como contra "uma importante companhia de telecomunicações espanhola", em alusão à Telefónica. As informações são da Agência EFE.

    A polícia também fala de uma "uma grande empresa francesa", em referência ao fabricante Renault, e que isso conduziu à parada brusca de "algumas de suas linhas de produção".

    As investigações foram encarregadas ao OCLCTIC

    A Promotoria de Paris já tinha aberto uma investigação sobre este assunto pela intrusão em sistemas de tratamento automatizado de dados, obstaculização de seus funcionamento, extorsão e tentativa de extorsão.

    As investigações foram encarregadas ao OCLCTIC, o serviço do polícia especializado na luta contra a delinqüência nas tecnologias da informação e comunicação.

    Em nota preventiva, a Polícia Nacional disse que para os usuários de computadores com o sistema operacional Windows é recomendado "inclusive em ausência de infecção aparente", que se aplique o corretivo Microsoft MS 17-010.

    Caso o vírus tenha se introduzido no equipamento - acrescentou -, "é indispensável isolar a máquina infectada desligando-a da rede familiar ou da empresa, o que impedirá toda propagação".

    Isso pode ser feito desligando o computador, retirando o cabo que o conecta à rede ou desativando o wifi.

    Os autores do aviso apontaram que o programa é "particularmente perigoso" por sua forma de se propagar, já que uma vez que entrou em uma máquina, age no conjunto da rede e paralisa todas os equipamentos a partir de uma codificação dos arquivos.

    Agência Brasil
    Com informações da Agência EFE