Fonte: OpenWeather

    Cultura


    Djuena Tikuna canta ao lado de estrelas como Maria do Céu e Daniela Mercury, no Rio de Janeiro

    O convite para participar do evento veio através de representantes do Comitê Olímpico que acompanharam a interpretação do hino - foto: Diego Janatã
    O convite para participar do evento veio através de representantes do Comitê Olímpico que acompanharam a interpretação do hino - foto: Diego Janatã


    A cantora amazonense Djuena Tikuna é uma das atrações do show Opening Session Ceremony (IOC), primeiro evento oficial do Comitê Olímpico Internacional, que será realizado às 20h desta segunda-feira (1), no Complexo de eventos Cidade das Artes no Rio de Janeiro. O evento é considerado a pré-abertura dos jogos Olímpicos. Além da artista amazonense, também estão no palco as cantoras Maria do Céu, Mariene de Castro e Maria do Céu. Djuena Tikuna vem se destacado no cenário musical amazonense e é a primeira interprete indígena do Hino Nacional brasileiro traduzido em língua Tikuna. O convite para participar do evento veio através de representantes do Comitê Olímpico que acompanharam a interpretação do hino na abertura dos Jogos Mundiais Indígenas, feita pela cantora, no ano passado, na cidade de Palmas (TO), evento que reuniu mais de 2 mil representantes indígenas, de diversos países. A cantora amazonense destaca a importância de cantar no evento Olímpico, em um momento de tantas dificuldades que enfrentam os povos indígenas. “Eu sinto muito orgulho em poder interpretar o hino nacional nesse evento. Acredito que ocupar um espaço desses também é uma forma de protesto contra a opressão que nós povos indígenas sofremos há mais de 500 anos”, afirma Djuena. Segundo a cantora, os jogos olímpicos têm chamado a atenção do mundo para as questões referentes ao Brasil, entretanto, a situação dos povos indígenas não é divulgada para os visitantes. “O mundo precisa saber que existimos e resistimos. Em todo o país, povos indígenas lutam pela demarcação de seus territórios, pela preservação de suas culturas, principalmente contra os grandes projetos que invadem nossas terras oferecendo risco à saúde de todo o planeta”. Por Diego Janatã