Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Mulher dar à luz em casa, após ser orientada a sair de maternidade

    Após preencher uma ficha na maternidade, ela foi atendida. Porém, o médico que a consultou disse que não estava na hora do bebê nascer - foto:  arquivo Em Tempo
    Após preencher uma ficha na maternidade, ela foi atendida. Porém, o médico que a consultou disse que não estava na hora do bebê nascer - foto: arquivo Em Tempo

    A dona de casa Sabrina Osório, 20, deu à luz na sala de casa, na rua 25, do bairro Tancredo Neves, Zona Leste, após ter procurado a maternidade Ana Braga, no São José, Zona Leste, com fortes contrações, e durante atendimento médico ter sido orientada a voltar para casa. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado pela família da jovem e resgatou a criança com vida.

    A tia da parturiente, a dona de casa Conceição Osório, 54, contou que Sabrina procurou a maternidade por volta das 6h dessa quarta-feira, porque estava sentido dores abdominais. Após preencher uma ficha na maternidade, ela foi atendida. Porém, o médico que a consultou disse que não estava na hora do bebê nascer e a mandou para casa.

    “Minha sobrinha continuou sentindo muita dor, ficou sentada em uma cadeira esperando atendimento. Assim que foi atendida, o médico disse que ela deveria ir para casa, descansar, porque a criança não ia nascer naquele momento. Mas, quando chegamos, para nossa surpresa o bebê já foi nascendo na sala”, contou Conceição.

    Por meio de uma nota, a direção da maternidade Ana Braga esclareceu que a paciente Sabrina Osório deu entrada na unidade às 6h38 de ontem. Após ser avaliada pelo médico, conforme está registrado no prontuário da paciente, ela foi orientada a deambular (caminhar) na área do salão de admissão, para ser novamente avaliada - após três horas – para acompanhamento da evolução do trabalho de parto. A paciente, portanto, não foi liberada para ir para casa, mas sim orientada a permanecer na unidade, em observação. A decisão de ir para casa foi tomada por ela.

    Por Michelle Freitas