Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Após consumirem bebida alcoólica, presos fazem rebelião em Barreirinha

    O trio, considerado de alta periculosidade, foi mantido numa cela separada - Foto: Tadeu de Souza
    O trio, considerado de alta periculosidade, foi mantido numa cela separada - Foto: Tadeu de Souza

    Depois de ingerirem bebida alcóolica, os presos Carlos Sidney Coelho da Cruz, 25, Roldão Manoel da Silva dos Santos, 30 e Kevin Trindade Reis, 19, iniciaram na tarde de quarta-feira (2), uma rebelião na delegacia de Polícia de Barreirinha (a 331 quilômetros de Manaus).

    Durante toda a movimentação eles gritavam palavras de ordem exaltando a facção criminosa Família do Norte e o narcotraficante João Branco, recentemente preso pela Polícia Federal.

    A situação só foi controlada por volta das 18 horas quando a guarnição da Polícia Militar ao comando do sargento Lázaro Oriente, ocupou a carceragem e isolou o trio que estava insuflando os demais presos a aderirem à rebelião.

    A falta de estrutura da delegacia local, levou o titular da delegacia de Barreirinha, Adilson Cunha, a transferir os três detentos para Parintins (distante 369 quilômetros de Manaus), onde chegaram escoltados pelo próprio delegado e policiais-militares às 22 horas.

    “Como o clima estava muito tenso dentro da delegacia achamos por bem retirar os três presos que estavam mais exaltados da cidade e para isso pedi ajuda do delegado Bruno Fraga para traze-los para delegacia de Parintins”, afirmou Cunha.

    O trio, considerado de alta periculosidade, foi mantido numa cela separada. Segundo o delegado Adilson Cunha Carlos Sidney Coelho da Cruz, o Carlão, é preso de justiça.  “É considerado de alta periculosidade, já  temos, inclusive, autorização da Justiça para transferi-lo para Cadeia Pública em Manaus”.

    Cunha salientou que hoje a delegacia de Barreirinha está com sua capacidade esgotada. “Temos mais de 29 presos e a carceragem só comporta quinze detentos, ou seja, estamos com o dobro de pessoas o que facilita essas ações”, afirmou.

    Por Tadeu de Souza