Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Sinetram aciona Justiça para prender rodoviários, por paralisação

    O Sindicato dos Rodoviários paralisou por mais de duas horas as linhas 128, 120, 450 e 013, que atende bairros da Zona Oeste, afetando mais de 5 mil usuários em Manaus - foto: divulgação
    O Sindicato dos Rodoviários paralisou por mais de duas horas as linhas 128, 120, 450 e 013, que atende bairros da Zona Oeste, afetando mais de 5 mil usuários em Manaus - foto: divulgação

    Líderes do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviários de Manaus (STTR) podem ser presos a qualquer momento, em virtude da paralisação realizada ontem à tarde a quatro linhas da empresa Viação São Pedro. A informação é do assessor jurídico do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram), Fernando Borges. Além da prisão, os rodoviários também deverão pagar uma multa de R$ 50 mil.

    “O Sinetram vai adotar as providências cabíveis, para que as pessoas que lideraram essa greve sejam punidas”, destacou Borges. Ainda de acordo com ele, o Sinetram entraria agora à tarde, com um pedido de multa e prisão preventiva contra os integrantes do STTR, responsáveis pela paralisação de ontem.

    Nesta terça-feira (26), o Sindicato dos Rodoviários paralisou por mais de duas horas as linhas 128, 120, 450 e 013, que atende bairros da Zona Oeste de Manaus, afetando mais de 5 mil usuários.

    A referida paralisação foi contra a liminar expedida na última segunda-feira (25), pelo Tribunal Regional do Trabalho, em favor do Sinetram, e que estabeleceu que 70% da frota operasse normalmente nos horários de pico caso, o Sindicato dos Rodoviários realizasse algum movimento paredista ontem. Em caso de descumprimento da decisão judicial, o STTR poderia ser multado em R$ 50 mil por hora e R$ 100 mil por empresa, caso impedisse a saída dos ônibus.

    A equipe de reportagem procurou os integrantes do Sindicatos dos Rodoviários para falar sobre o assunto, mas ninguém foi localizado.

    Por Lindivan Vilaça