Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Mulher é presa suspeita de se passar por despachante do Detran, em Manaus

    As investigações em torno do caso tiveram início há um mês, após a formalização de nove boletins de ocorrência no 23º DIP citando Aneia - foto: Thais Gama
    As investigações em torno do caso tiveram início há um mês, após a formalização de nove boletins de ocorrência no 23º DIP citando Aneia - foto: Thais Gama

    Aneia da Silva Malcher, 45, foi presa na tarde quarta-feira (20), suspeita de se passar por despachante do Departamento Estadual de Trânsito do Amazonas (Detran-AM) e aplicar golpes em ‘clientes’. A mulher foi detida dentro do órgão, localizado na avenida Mario Ypiranga Monteiro, bairro Adrianópolis, Zona Centro-Sul da cidade.

    Segundo o delegado titular do 23º Distrito Integrado de Polícia (DIP), Demetrius Queiroz, as investigações em torno do caso tiveram início há um mês, após a formalização de nove boletins de ocorrência no 23º DIP citando Aneia.

    Conforme o delegado, as vítimas argumentaram que a mulher se passava por despachante do órgão estadual, onde foi detida e oferecia vantagens na resolução de serviços no local. Ao receber o valor acertado com o cliente, a infratora desaparecia e não cumpria com o que era acordado.

    “Nós temos nove ocorrências registradas em nome dela e, de acordo com os depoimentos das vítimas, todas com o mesmo modo de operação. Aneia chegou a ser notificada para comparecer à delegacia para prestar esclarecimentos, mas não veio. Fomos até a casa dela, mas não a encontramos. Então continuamos as investigações na tentativa de impedirmos que ela fizesse novas vítimas”, afirmou o delegado.

    O titular do 23º DIP informou que após tomar conhecimento de que a mulher estava no local onde costumava aplicar os golpes, deslocou uma equipe até o lugar que encontrou Aneia, conduzida em seguida à delegacia. Na unidade policial ela negou a autoria do crime e disse desconhecer os registros em nome dela. A mulher foi indiciada por estelionato e liberada para responder pelo delito em liberdade.

    Conforme o delegado Demetrius Queiroz, as investigações em torno do caso irão continuar. “Pedimos a todos que tenham sido vítimas da mulher que nos procure para formalizarem as ocorrências, que deverão ser anexadas ao inquérito instaurado”, disse.

    Com informações da assessoria