Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Antiga e nova gestão de Iranduba não pagam salários e servidores protestam

    Madá e Chico Doido não efetuaram os pagamentos e os servidores podem ficar sem receber  - Reprodução/Google

    Funcionários efetivos da Prefeitura de Iranduba (situada a 27 Km de Manaus) informaram que ainda não receberam os salários referentes ao mês de dezembro de 2016 e nem as férias do mesmo ano. Os servidores afirmam que a ex-prefeita do município, Madalena de Jesus (PSD), agiu de má fé e enganou os trabalhadores ao sair sem efetuar os pagamentos.

    Segundo os servidores, o atual prefeito do município, Francisco da Silva (DEM), disse que o problema do atraso dos salários não é dele e que pagará os trabalhadores quando tiver dinheiro na conta da prefeitura. Caso seja feito o pagamento, o valor será parcelado durante todo o ano de 2017.

    De acordo com a funcionária pública, Sandra Farias da Conceição, 39, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam), procurou a ex-prefeita do município no último dia 28 de dezembro e ela afirmou que o dinheiro já estava na conta dos funcionários. Entretanto, após alguns deles irem até o banco para tentar sacar o dinheiro, os servidores descobriram que o pagamento não havia sido efetuado.

    “Nós olhamos o portal da transparência três dias antes dela deixar o cargo e tinha o valor de R$ 3 milhões disponível, que dava para pagar os nossos salários e as férias. Mas, no dia 3 desse mês, olhamos novamente e só tinha o saldo de R$ 300 mil. Não sabemos o que foi feito desse dinheiro, só sabemos que ela agiu de má fé e nos enganou”, disse Sandra.

    Devido ao salário atrasado, a servidora pública relatou que alguns professores estão passando necessidades.

    “Tem professor que está passando fome. Nós temos um grupo no WhatsApp e lá relatam como estão as vidas deles. Alguns não sabem mais o que fazer. A nossa situação está muito complicada”, lamentou Sandra Farias.

    A funcionária comentou a medida do atual prefeito em pagar os salários apenas quando houver dinheiro em caixa, proveniente de um novo recurso federal.

    “O novo prefeito disse que pegou a prefeitura somente com R$ 300 mil na conta e que só fará o pagamento quando tiver dinheiro, pois o problema do atraso não é dele. Ele disse que o compromisso é só com os pagamentos a partir de janeiro”, falou.

    Além do atraso nos salários, outra reclamação feita pela funcionária pública é referente a não reposição do imposto de renda.

    “Por alguma armação da prefeitura no repasse do dinheiro, que é descontado no contracheque, nenhum funcionário recebeu a reposição do imposto de renda e ninguém dá nenhuma justificativa. Teve uma época em que passamos uns três anos com o nome sujo no Serasa, já que a prefeitura havia feito um crédito consignado para os funcionários públicos e o valor do empréstimo seria descontado na folha de pagamento. Só que eles descontavam, mas o valor não era repassado para a Caixa Econômica Federal”, concluiu a funcionaria.

    Madalena se defende

    A ex-prefeita se defendeu das acusações dos funcionários e afirmou que o dinheiro para efetuar os pagamentos dos funcionários e dos fornecedores ficou disponível na conta da prefeitura. O objetivo era que o novo gestor quitasse as dívidas.

    “As férias, realmente, ficaram para o novo prefeito pagar, pois é normal esse procedimento de pagar as férias no ano seguinte. Entretanto, o dinheiro para pagar os salários do mês de dezembro foi deixando na conta. Os funcionários só não receberam porque o banco não está funcionando no dia 30. O recurso caiu no dia 29, um valor de R$ 800 mil e no dia 8 de janeiro caiaria R$ 1 milhão. Então o problema do pagamento não foi a falta de dinheiro. Acredito que o novo prefeito ainda não pagou devido ao processo de transição. Estou com a minha consciência limpa e com a certeza que deixei o valor para ser feito o pagamento”, falou a ex-prefeita.

    A reportagem entrou em contato por telefone com o atual prefeito de Iranduba, Francisco da Silva, mas foi informada que ele estava em uma reunião e não poderia atender no momento.

    Mara Magalhães
    EM TEMPO

    Mais lidas

    1. Entenda como são feitas as buscas por vítimas de afogamento no Amazonas

    2. Procuradores repudiam ataques de defensor público no AM e divulgam nota

    3. Saiba como funciona a tarifa de esgoto em Manaus

    4. Aprovados no concurso do TJAM pedem nomeação e marcam protesto

    5. Evento internacional sobre reprodução de peixes será realizado em Manaus