Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Arquidiocese vai lançar Campanha da Fraternidade 2017 no Parque do Mindu

    O arcebispo de Manaus disse que a importância do tema é transversal e interessa a todos - Divulgação

    O Parque Municipal do Mindu, símbolo de resistência e da luta pela preservação do bioma amazônico na cidade de Manaus, foi escolhido pela Arquidiocese de Manaus para ser o palco do lançamento da Campanha da Fraternidade 2017, com o tema “Fraternidade: Biomas Brasileiros e a Defesa da Vida”. A campanha será lançada oficialmente no próximo dia 1º de março, Quarta-feira de Cinzas, no anfiteatro do parque, às 9h, com uma solenidade que dará início ao período da Quaresma para a Igreja Católica. O anúncio foi feito na manhã desta quarta-feira, 22, na sede da Cáritas Arquidiocesana, no Centro, pelo arcebispo metropolitano de Manaus, dom Sérgio Castriani.

    A subsecretária municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Aldenira Queiroz, que esteve na Cáritas, destacou que a escolha do Parque do Mindu tem um caráter especial pelo histórico e a importância da área protegida para a cidade. “Estamos aqui para agradecer à Arquidiocese de Manaus em nome do prefeito Arthur Virgílio Neto e do secretário de Meio Ambiente, Antonio Nelson, porque o Mindu é um ambiente bastante significativo para Manaus”, disse ela, em referência ao processo de criação do parque, a partir de um movimento de luta encabeçado pelos moradores do Parque Dez e do prefeito Arthur Virgilio Neto, em seu primeiro mandato, contra a grilagem que ameaçava a área.

    “Essa é uma área de extrema relevância para a cidade, visto que o parque abriga um bioma completo e está situado em plena área urbana de Manaus”, observou Aldenira Queiroz. Para a subsecretária, a Campanha da Fraternidade terá um papel importante na sensibilização da sociedade ao desenvolver atividades ao longo do ano sobre o tema. “Quem respeita o meio ambiente respeita a si próprio e a nossa casa comum”, lembrou.

    O padre Geraldo Badham, coordenador da pastoral da Arquidiocese, destacou que a realidade dos biomas brasileiros (seja o Cerrado, Pantanal, Pampas, Mata Atlântica e a Amazônia) é preocupante. “Hoje, os biomas brasileiros encontram-se em degradação. Foram criadas reservas de florestas dentro dos biomas, e se isso não acontecesse não sei o que seria da Amazônia”, lembrou.

    Ele explicou os motivos da escolha do Mindu. “A razão de escolhermos o Mindu é que ali encontramos o bioma completo, perfeito. Há vida, há natureza, sabemos que o igarapé está poluído, mas é simbólico também para todos nós, pois é nele que encontramos a ação humana e seus efeitos danosos”, observou.

    O arcebispo de Manaus, dom Sérgio Castriani, ressaltou que cuidar do bioma é cuidar da vida. “A importância do tema é transversal, interessa a todos e a cada um. Parece distante, mas é algo que está muito perto de nós, já que utilizamos a água e respiramos o ar para viver. Ano passado, o tema foi saneamento básico. Este ano, ampliamos, tendo em vista a preocupação do Papa Francisco com a temática”, afirmou dom Sérgio, acrescentando que ainda temos o privilégio de viver num bioma quase intocado.

    Com informações da assessoria

    Mais lidas

    1. Entenda como são feitas as buscas por vítimas de afogamento no Amazonas

    2. Procuradores repudiam ataques de defensor público no AM e divulgam nota

    3. Saiba como funciona a tarifa de esgoto em Manaus

    4. Aprovados no concurso do TJAM pedem nomeação e marcam protesto

    5. Evento internacional sobre reprodução de peixes será realizado em Manaus