Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Quarteto é preso com fardas da Polícia Civil após troca de tiros

    Com o quarteto foram apreendidas 160 trouxinhas de entorpecentes, supostamente de cocaína, uma pistola PT40, de uso restrito das polícias, e o fardamento - Divulgação

    Quatro homens foram presos por envolvimento em uma quadrilha suspeita de usar o fardamento da Polícia Civil do Amazonas para cometer assaltos e execuções na cidade. A ação ocorreu na tarde desta quarta-feira (1º), na rua Maués, bairro Cachoeirinha, Zona Sul de Manaus. Os suspeitos teriam trocado tiros com desafetos, um deles foi baleado na perna.

    Policiais militares da 2ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) informaram que o Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) recebeu uma denúncia de que quatro homens, em um veículo Agile, de cor preta, estavam cometendo crimes na área.

    "Ao abordarmos o quarteto, verificamos que eles tinham as blusas da Polícia Civil, arma e drogas. Eles já haviam atirado contra um grupo rival, na tentativa de vingar a morte de um dos líderes da quadrilha - que também é envolvida com o tráfico de drogas", disse um dos policiais.

    As fardas estavam no carro dos suspeitos - Divulgação

    Os policiais negaram que trocaram tiros com os suspeitos. Ao abordarem o veículo, eles verificaram que um dos homens já estava baleado na perna. Segundo a polícia, ele pode ter sido ferido no momento da briga entre os grupos rivais. O objetivo era matar um homem, conhecido como 'Roney', que estava envolvido na morte de um dos líderes da quadrilha.

    Ele foi levado para o Serviço de Pronto Atendimento (SPA) do bairro Colônia Oliveira Machado e foi liberado após atendimento médico.

    Com Júnior Ferreira Peres, 26, Marcos Adriano Marques Paiva, 22, Jeanderson de Souza e Souza, 22, e Geovanio Mário Rocha Rodrigues, 22, foram apreendidas 160 trouxinhas de entorpecentes, supostamente de cocaína, uma pistola PT40, de uso restrito das polícias e o fardamento. O caso está sendo registrado no 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

    Bruna Souza
    EM TEMPO