Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Rodoviários tiram ônibus da garagem, mas sistema é prejudicado por protestos

    Ônibus do transporte coletivo fazem fila quilométrica na avenida Constantino Nery durante protesto - Janailton Falcão

    Rodoviários das empresas Líder, Açaí e São Pedro, paralisaram 100% da frota de ônibus na manhã desta sexta-feira (28). O ato, que teve o apoio do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Manaus (STTRM), descumpriu a decisão judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região publicada ontem, que determinou que 70% da frota do transporte coletivo de Manaus operasse em horário de pico e 50% funcionasse nos demais horários durante a Greve Geral, que acontece em todo território nacional e recebe apoio das forças sindicais do Amazonas.

    De acordo com o gerente de tráfego da Líder, Ramyson Brandão, a paralisação durou quatro horas e afetou pelo menos 35 mil pessoas na Zona Norte. Somente por volta das 8h da manhã os primeiros carros começaram a sair das garagens.

    “Representantes do sindicato estiveram aqui na garagem e impediram os funcionários de seguirem viagem. Somente às 7h30 que os ânimos se acalmaram e os carros se prepararam para a circulação. Se dependesse da empresa todos os ônibus estariam na rua em seus respectivos horários”, disse o gerente.

    Ramyson ainda informou que 40% dos veículos irão operar somente em certos pontos da cidade, devido aos transtornos no trânsito que estão sendo causados pelas manifestações contra as reformas da Previdência e Trabalhista.

    O secretário geral do sindicato dos rodoviários, Élcio Campos, informou que os ônibus estão operando de acordo com as demandas determinadas pela justiça, mas manifestantes de outras categorias e movimentos sociais estão impedindo a circulação do transporte coletivo.

    “A justiça determinou que os ônibus operassem e estão operando. Tiramos os ônibus nas garagens, mas estão sendo impedidos de circular pelos protestantes de outros movimentos que querem que todos os trabalhadores apoiem a greve geral”, disse Élcio.

    Daniel Landazuri
    EM TEMPO