Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Roubos a jazigos e festas dentro do cemitério são denunciados por familiares

    Em março o Jornal EM TEMPO divulgou denúncias de que estudantes de odontologia compravam dentes no cemitério - Janailton Falcão

    O aposentado Rubens Pereira, de 73 anos, teve parte do jazigo de sua família furtado. De acordo com o idoso, essa é a segunda vez, em menos de seis meses, que o local sofre ação de criminosos. O caso aconteceu no cemitério São João Batista, localizado na avenida Álvaro Maia, bairro Nossa Senhora das Graças, Zona Centro-Sul de Manaus.

    O jazigo foi adquirido há 15 anos, quando Rubens precisou enterrar o filho e fez um empréstimo para comprar a sepultura. Ele denuncia que a situação tem se tornado comum e pede providências. “Se for ver as outras, tem centenas que já foram roubadas. Quem vem constantemente, percebe, mas tem gente que nem sabe que foi roubado. Eu já falei com a administração e eles não fazem nada, tem que ter polícia para impedir isso” protesta.

    Rubens relata também outras situações que estão acontecendo dentro do cemitério. "Ontem (domingo, 28), eu fui até lá e tinha gente assando peixe, ouvindo música lá dentro, que administração é essa que permite isso?”, questiona o aposentado que ainda paga as parcelas do empréstimo que fez para comprar a sepultura.

    De acordo com o responsável pela administração do cemitério, José Moura, todas as situações relativas ao funcionamento do cemitério são repassadas à Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp).

    A reportagem entrou em contato com a Semulsp e aguarda resposta do órgão para saber quais medidas de segurança serão tomadas no local.

    Outro caso

    Outra situação ocorreu no dia 19 de março, também no São João Batista. A cantora Barbara Bianca, de 47 anos, teve a ossada da avó dela furtada. Segundo ela, o crime aconteceu após seis meses do sepultamento.

    Bianca informou que os criminosos danificaram a lápide, furtaram os dentes e outros objetos que estavam no local. Conforme ela, os prejuízos chegam a R$ 9 mil.

    Laize Minelli
    EM TEMPO