Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Taxistas e mototaxistas se unem em protesto contra Uber e Yet Go

    Taxistas e mototaxistas da capital realizam uma manifestação em frente à sede da Prefeitura de Manaus, localizada na avenida Brasil, bairro Compensa, Zona Oeste da capital. Segundo os manifestantes, a exigência é a fiscalização do sistema de transporte urbano. As categorias querem o fim de meios alternativos de mobilidade como o Uber e Yet Go.

    Revoltados, os taxistas e mototaxistas bloquearam a via e atearam fogo em pneus e pedaços de madeira que eram usados como barricadas.

    De acordo com o presidente do Sindicato dos Condutores Autônomos e Taxistas de Manaus (Sintax-AM), José Carlos, a manifestação é para chamar a atenção das autoridades municipais. “A nossa principal reivindicação é a fiscalização, Manaus já tem um histórico de clandestinidade no sistema e isso já vem de muitos anos, não é só dessa administração. Hoje a situação chegou ao caos, precisamos que a prefeitura fiscalize todo o sistema de transporte”, protestou.

    Os manifestantes vão querem uma reunião com o prefeito | Fotos: Janailton Falcão

    O diretor-presidente de uma das cooperativas de rádio táxi, Marcelo Neder, disse que a manifestação começou por volta de 7h30 da manhã e que os profissionais vão ficar  em frente à sede até que o Prefeito de Manaus, Artur Virgílio Neto (PSDB), receber as duas categorias. “Somos mais de 4 mil taxistas circulando na cidade, estamos exigindo que seja regulamentado o serviço de transporte por aplicativo, que hoje é irregular”, afirmou o taxista.

    Para o mototaxista Jocinei Marques Ribeiro, de 39 anos, a chegada dos dois aplicativos na cidade afetou diretamente os lucros dos trabalhadores de táxi e mototáxi. “A população deixa de fazer uma corrida segura para se arriscar em um deslocamento com um transporte irregular, porque acreditam ser mais barato. A nossa categoria possui hoje, 2.900 mototaxistas regulamentados”, disse Jocinei.

    Durante o período que a reportagem esteve no local, haviam cerca de 50 táxis estacionados nas duas faixas da avenida e 20 mototáxis ocupando a calçada do outro lado da via. Dez placas foram fixadas nas grades pelo lado de fora da Prefeitura com frases como “Minha Profissão não é bico!”, “Transporte Clandestino é ilegal e quem usa corre risco!” e “Somos taxistas com muito orgulho”.

    Os manifestantes também soltaram rojões de fogos de artifício e gritaram palavras de ordem. Agentes do Manaustrans e policiais Militares do Batalhão de Choque estiveram no local.

     

    Bárbara Costa
    EM TEMPO