Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    MPF pede para arquivar caso de delegado Garcez que desapareceu após tiroteio

    O delegado Thiago Garcez desapareceu no dia 5 de dezembro de 2016, em Coari, durante um tiroteio com narcotraficantes - Divulgação

    O Ministério Público Federal (MPF) pediu arquivamento do inquérito policial que investiga o desaparecimento do delegado Thyago Pereira Garcez Bastos, 30, ocorrido no dia 5 de dezembro de 2016, durante tiroteio com narcotraficantes colombianos no rio Solimões, em Coari (distante a 363 km de Manaus).

    De acordo com o pedido da procuradora Anne Caroline Aguiar Andrade Neitzke encaminhado ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), no dia 9 de junho de 2017, todas as testemunhas que presenciaram o desaparecimento do policial já foram ouvidas. Segundo ela, durante os depoimentos não houve sucesso no desfecho do caso.

    “De tudo o que foi apurado durante as investigações, não se consegue concluir se o doutor Thyago foi atingido pelos tiros e veio a óbito em decorrência disso ou se ele se afogou após soltar-se da lancha em movimento”, conforme descrito pela procuradora Anne Neitzke no pedido de arquivamento.

    A solicitação do arquivo do inquérito da Polícia Civil ainda acrescenta que até o presente momento não há atividades complementares a serem determinadas pelo MPF e com a ausência de provas de quem possa ser o autor, não há como se dar continuidade ao caso.

    “Assim, não havendo neste momento diligências complementares a serem determinadas por este órgão ministerial e diante da ausência de indícios de materialidade e autoria que possam revelar conduta criminosa no caso em comentário, constata-se que não há justa causa para o prosseguimento das investigações, bem como para a propositura de ação penal”, completou a procuradora por meio do documento.

    O pedido agora passa por avaliação e decisão do juiz da 1ª Vara Federal de Tefé (a 523 quilômetros) André Dias Irigon, que, por meio de nota da assessoria de comunicação social do órgão, prefere não se pronunciar. “O processo está na vara única da subseção judiciária de Tefé. A Justiça estadual declinou de competência para a Justiça Federal. O magistrado da subseção agradece a oportunidade, no entanto, sugere que se procure informações junto ao Ministério Público Federal”.

    A reportagem também procurou os familiares do delegado Thyago Garcez, para saber mais informações a respeito do caso, mas a mulher do policial preferiu não se pronunciar sobre o assunto.

    O EM TEMPO também tentou entrar em contato com o delegado da Polícia Federal Leandro Almada, titular da Corregedoria da Secretaria de Segurança Pública (SSP), para obter informações sobre envolvimentos de policiais que estavam na embarcação com Garcez, mas ele não atendeu as ligações telefônicas.

    Some em tiroteio em Coari

    No dia 5 de dezembro do ano passado, durante tiroteio com colombianos no rio Solimões, em Coari, o delegado Thyago Garcez desapareceu, e, há seis meses do ocorrido, não se tem notícias do paradeiro do policial. Na mesma ação, policiais civis e militares apreenderam 600 quilos de droga, sendo a maioria maconha do tipo skank.

    Equipes das duas policiais estaduais realizaram buscas e até a Secretaria de Segurança Pública (SSP) ofereceu recompensa a quem souber da localização da autoridade policial, mas o trabalhos não continuaram.

    Bárbara Costa

    EM TEMPO