Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Tiroteio: guerra do tráfico tira vida de inocentes e deixa feridos na Zona Norte de Manaus

    A área onde ocorreu o tiroteio é de tráfico intenso e de difícil acesso | Daniel Landazuri

    Uma briga entre facções criminosas causou a morte de dois jovens e deixou outras sete pessoas feridas na noite deste domingo (16), nas ruas do Mutirão, Zona Norte de Manaus.

    De acordo com testemunhas, cerca de 20 homens armados, em carros e motocicletas, chegaram ao local do confronto, um ponto de venda de drogas, já atirando.

    "Esses homens querem tomar a boca de fumo dos traficantes aqui da área e donos foram surpreendidos, saíram correndo. Os inocentes pagaram o preço, quem estava na rua, infelizmente, foi baleado", disse uma moradora do Mutirão que não quis ter o nome divulgado.

    A primeira vítima foi um estudante de 16 anos, que foi morto com três tiros na rua 50, ao tentar ajudar o irmão, de 13 anos, que ficou ferido durante o tiroteio.

    "Eles estavam cortando o cabelo junto com um irmão mais novo, de 5 anos. Eu ainda liguei para avisar para eles não saírem do salão, mas quando eles ouviram os tiros foram ver o que estava acontecendo. O mais velho ainda entrou em uma sapataria para se esconder, mas quando viu o irmão ferido, no chão, saiu pra socorrê-lo e foi morto", contou a mãe das vítimas.

    O filho mais novo, de 13 anos, foi ferido com sete tiros na região do abdômen e peito. O adolescente perdeu um dos rins e está na internado na UTI do Hospital da Criança, na Zona Oeste.

    "Meus filhos não tinha envolvimento com coisas erradas. Infelizmente estão pagando pela guerra do tráfico que está acontecendo naquela área", lamentou a dona de casa.

    O pintor Janderson Silveira Protásio, de 25 anos, também morreu durante o tiroteio. Ele estava com o filho de 2 anos no colo quando foi atingido por mais de 10 tiros. Segundo os parentes de Janderson, a criança também foi atingida, mas de raspão, em um dos ombros.

    "A polícia está dizendo que meu filho era bandido, que ele era de facção, mas a única facção que meu filho era, era de trabalho. Ele trabalhava como encarregado de pintura em uma pequena empresa que eu tenho de construção civil e foi morto enquanto ia deixar o filho na casa da sogra", contou, revoltado, o pai da vítima.

    Janderson deixou dois filhos e a mulher, grávida de 9 meses.

    A polícia Militar informou que faz patrulhamento na região, mas que a área é de tráfico intenso e de difícil acesso. O caso será investigado pela DEHS.

    Daniel Landazuri
    EM TEMPO