Fonte: OpenWeather

    Dia A Dia


    Assassinos confessos de garota carbonizada respondem em liberdade no AM

    Os suspeitos se entregaram na polícia, mas foram liberados  e vão responder pelo crime em liberdade- Divulgação

    Envolvidos no desaparecimento e morte da adolescente Mirelle dos Santos Carvalho, 16, o ajudante de pedreiro Fernando Bezerra de Souza Bentes, 19, e o vendedor Adriano Penedo da Silva, 23, se apresentaram, na tarde desta quinta-feira (3), no prédio do 13º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Eles confessaram a autoria do crime, que teve o corpo carbonizado e encontrado na manhã da última segunda-feira (31), em um terreno baldio localizado no Conjunto Canaranas, bairro Cidade Nova, Zona Norte.

    Contrariando a versão dos suspeitos, familiares de Mirelle dizem que a adolescente foi torturada em uma boca de fumo, na comunidade Fazendinha, Cidade de Deus, e depois o corpo foi levado para o Canaranas e incendiado para despistar a polícia. A jovem teve os cabelos e as sobrancelhas cortadas, além de ter sido esfaqueada por uma amiga dela, conhecida como "Luciana".

    A motivação do crime, segundo a família, foi vingança. A vítima foi expulsa da boca por uma traficante, conhecida como "Mana", que depois ordenou o assassinato da adolescente por inveja.

    Leia também: Coronel da PM é condenado a mais de 30 anos de prisão por homicídio e colaboração com o tráfico

    No entanto, de acordo com o delegado titular do 13º DIP, Jander Mafra, a dupla forneceu uma versão diferente dos familiares para motivação do crime. Em depoimento, eles informaram que mataram a adolescente porque ela teria traído Fernando - seu namorado há três meses. O estopim para a execução da jovem teria ocorrido durante um arraial em uma quadra esportiva, situada no Conjunto Canaranas.

    “Fernando e Mirelle namoravam há três meses e ela o teria traído. Ele confessou que os três estavam no arraial e, em um determinado momento, foram até um terreno, onde consumiram drogas e bebidas alcoólicas. Eles começaram a discutir e, durante a briga, Adriano agrediu a vítima. Depois o Fernando deu um “Mata-Leão” nela, deixando a garota desacordada. Em seguida, os dois suspeitos foram até um posto de combustíveis, compraram gasolina, despejaram na adolescente e atearam fogo”, relatou o delegado.

    O ajudante de pedreiro foi indiciado por feminicídio. Adriano foi indiciado por homicídio qualificado por motivo fútil e emboscada. Eles vão responder pelos crimes em liberdade, uma vez que não há flagrante e a polícia ainda não havia solicitado da Justiça os mandados de prisão.

    Versão da família é diferente

    Conforme a mãe de Mirelle, uma dona de casa de  37 anos, que não quis ter o nome revelado por temer represálias e falou com exclusividade ao EM TEMPO, a adolescente foi atraída até a boca de fumo para encontrar com a "amiga Luciana".

    "Essa Luciana nos contou que a minha filha foi torturada nessa boca porque a outra traficante tinha inveja dela. Ela foi espancada e cortada. Mirelle ainda pediu água e não deram para ela. Essa Luciana disse que foi espancada também por esses traficantes, além de ter sido estuprada. A Luciana conseguiu fugir, mas a minha filha ficou e foi morta", relatou.

    Leia também: 

    A mãe de Mirelle disse ainda que, depois dos familiares acionarem a Polícia Militar para ir até a boca de fumo indicada por Luciana, a traficante "Mana" ordenou que o corpo fosse retirado da comunidade Fazendinha. O objetivo era não chamar atenção para o local.

    "Já tinham ameaçado tomar a boca de fumo dessa traficante, caso a polícia fosse lá. Foi aí que eles tiraram o corpo da minha menina e levaram para outro bairro, onde atearam fogo. Eles forjaram para ninguém daquela boca ser preso", disse a dona de casa.

    As informações repassadas pelos familiares vão ser investigadas pela polícia, mas até agora não há confirmação sobre a versão. Nem os parentes de Mirelle e nem Luciana prestaram depoimento.

    Os familiares de Mirelle foram na segunda-feira (31) até o Instituto Médico Legal (IML), mas como o corpo foi carbonizado, o resultado deve levar até três meses para ficar pronto.

    Ana Sena
    EM TEMPO

    Mais lidas

    1. Entenda como são feitas as buscas por vítimas de afogamento no Amazonas

    2. Procuradores repudiam ataques de defensor público no AM e divulgam nota

    3. Saiba como funciona a tarifa de esgoto em Manaus

    4. Aprovados no concurso do TJAM pedem nomeação e marcam protesto

    5. Evento internacional sobre reprodução de peixes será realizado em Manaus