Fonte: OpenWeather

    Reforma


    Caesar Business fecha em Manaus e mobiliário é vendido à população

    O empreendimento que pertencia a empresa Accor Hotels teria sido vendido para o SIDIA para dar lugar ao centro de tecnologia

    O edifício fica localizado na avenida Ephigênio Salles, no bairro Chapada | Foto: Marcio Melo

    Manaus - O antigo hotel Caesar Business localizado na avenida Ephigênio Salles, bairro Chapada, Zona Centro-Sul de Manaus, virou um mercado aberto para a venda de todo tipo de mobiliário. Itens como frigobar que podem custar na loja R$ 1 mil, foram vendidos pela bagatela de R$ 200. O prédio, que recentemente foi vendido para  uma empresa de tecnologia do Polo Industrial de Manaus, está sendo esvaziado para ser entregue ao comprador. A queima de estoque dos móveis que pertenciam ao hotel, vem ocorrendo desde quinta-feira (10).  

    A reportagem do EM TEMPO visitou o local na manhã desta terça-feira (15), onde foi possível identificar, no portão de entrada, avisos sinalizando que a venda dos móveis estavam encerradas. Funcionários barravam a entrada de pretensos compradores, frustrando dezenas de pessoas que ainda chegavam para aproveitar as ofertas.

    De acordo com informações extraoficiais colhidas no local, as vendas deveriam ocorrer apenas para funcionários internos das empresas envolvidas, mas o assunto acabou vazando para o público externo e os responsáveis foram obrigados a abrir para todos, tamanho o número de interessados que se aglomerou no local. 

    Compradores que conseguiram entrar para fazer compra dos itens disseram que só conseguiram  adquirir produtos porque chegaram às 3h da manhã e adquiriram uma das 20 senhas entregues. O autônomo Abner Neres, 52, informou que conseguiu comprar um conjunto de cama por R$ 300, peça que no varejo comum custaria aproximadamente R$ 1,2 mil. Também era possível encontrar aspirador de pó por R$ 500, abajur por R$ 70, e criado mudo R$ 150. 

     “Chegamos lá 3h30 (madrugada), nossa senha foi a número dois. Colocaram a gente para dentro às 7h. Desde 6h30 os guardas disseram que só iam entrar 20 pessoas com um acompanhante, ou seja 40. Só que da senha 21 em diante não entrou ninguém e virou confusão. Acabaram chamando a Polícia. Houve proprietário de pousada que comprou todas as toalhas”, detalhou o empresário.

    Leia também: Feirão da caixa terá imoveis para famílias com renda de ate R$ 26 mil

    A aposentada Maria Luzia Pinheiro, 66, foi uma das pessoas que contou com a sorte. Ela conta que chegou às 9h, mas não havia mais itens para venda. “São aproximadamente 300 itens de cada, mas vieram empresários e compraram todos os lotes. Apenas o Tropical Hotel comprou quase 100 frigobares. Eu queria um frigobar também, mas não consegui. Alguns funcionários demitidos também compraram peças dos apartamentos”, lamentou ela.

    Devido ao preço bem mais em conta, muitos produtos foram vendidos por até menos da metade do preço e depois recolocados à venda na plataforma de comércio pessoal OLX. O frigobar, que na porta que no hotel foi adquirido por apenas R$ 200, estava sendo vendido no aplicativo da internet por R$ 350. Os televisores da Sony ficaram ainda mais caros, de R$ 200 no hotel, estavam custando R$ 500 na plataforma.

    Operado anteriormente pela empresa Accor Hotels, o Caesar Business fechou as portas em Manaus, no dia 13 de abril deste ano, logo após ser vendido para o Samsung Instituto de Desenvolvimento para a Informática da Amazônia (Sidia). O instituto foi procurado e em nota respondeu que  a estrutura será reformada para viabilizar a centralização de todos os laboratórios do  que hoje estão divididos em três prédios, em Manaus.

    "O instituto está fazendo uma análise minuciosa do espaço para adequá-lo às atividades da área de Pesquisa e Desenvolvimento, e isso reflete no cronograma das obras, ou seja, ainda não é possível precisá-lo", diz a nota do Sidia novo proprietário do prédio.   

    A nota revela ainda que além da concentração de todas as atividades do SIDIA em um mesmo local, a nova estrutura permitirá a ampliação de projetos nas áreas de Realidade Virtual (VR) e Realidade Aumentada (AR), reforçando o protagonismo do estado do Amazonas em termos de desenvolvimento de tecnologia e contribuindo com o mercado de trabalho e economia local.

    Criado em 2004, o Sidia atualmente cria soluções inovadoras para o mercado nacional e global, atuando no desenvolvimento e qualidade de software embarcado para celulares, tablets, novas tecnologias vestíveis (wearables) e Smart TVs, aplicações para óculos de realidade virtual, realidade aumentada, inteligência artificial e criação de games de classe mundial.

    Entre seus projetos de destaque estão games para VR como Angest e Finding Monsters, e o projeto EDK, que busca encontrar soluções de software para transformar a educação nas comunidades da região amazônica. 

    Leia mais: 

    Produção de motocicletas em Manaus tem alta de 37,3 em abril

    Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da copa-2018

    Quer ser jovem aprendiz correios oferecem quase 5 mil vagas


     

    Errata

    Onde se lê: O SIDIA foi procurado para confirmar se o prédio estaria sendo reformado para abrigar o Instituto de Desenvolvimento da Informática na Amazônia (Sidia), mas até esta publicação a reportagem aguardava as informações por e-mail. Operado pela empresa Accor Hotels, o Caesar Business fechou as portas em Manaus, no dia 13 de abril deste ano.

    Se lê: Operado anteriormente pela empresa Accor Hotels, o Caesar Business fechou as portas em Manaus, no dia 13 de abril deste ano, logo após ser vendido para o Samsung Instituto de Desenvolvimento para a Informática da Amazônia (Sidia). O instituto foi procurado e em nota respondeu que a estrutura será reformada para viabilizar a centralização de todos os laboratórios do que hoje estão divididos em três prédios, em Manaus. "O instituto está fazendo uma análise minuciosa do espaço para adequá-lo às atividades da área de Pesquisa e Desenvolvimento, e isso reflete no cronograma das obras, ou seja, ainda não é possível precisá-lo", diz a nota do Sidia novo proprietário do prédio. A nota revela ainda que além da concentração de todas as atividades do SIDIA em um mesmo local, a nova estrutura permitirá a ampliação de projetos nas áreas de Realidade Virtual (VR) e Realidade Aumentada (AR), reforçando o protagonismo do estado do Amazonas em termos de desenvolvimento de tecnologia e contribuindo com o mercado de trabalho e economia local. Criado em 2004, o Sidia atualmente cria soluções inovadoras para o mercado nacional e global, atuando no desenvolvimento e qualidade de software embarcado para celulares, tablets, novas tecnologias vestíveis (wearables) e Smart TVs, aplicações para óculos de realidade virtual, realidade aumentada, inteligência artificial e criação de games de classe mundial. Entre seus projetos de destaque estão games para VR como Angest e Finding Monsters, e o projeto EDK, que busca encontrar soluções de software para transformar a educação nas comunidades da região amazônica.