Fonte: OpenWeather

    Polo de duas rodas


    Polo de duas rodas em Manaus deve ter crescimento de 11% em 2018

    O bom desempenho na produção e nas vendas no primeiro semestre, levou a Abraciclo apostar em alta de 11%

    Produção de motocicletas no Polo Industrial de Manaus
    Produção de motocicletas no Polo Industrial de Manaus | Foto: Arquivo em Tempo

    Manaus -  O polo de duas rodas do parque fabril de Manaus fechou o primeiro semestre com produção de motocicleta (16,7%) e bicicleta (10,7%) em alta sobre o mesmo período do ano passado, o que fez o setor revisar a previsão de crescimento no ano de 5,9% para 11%. As vendas do setor no atacado no mercado nacional também registraram de 12,2%, o que também levou a revisão de recuperação em 2018 de 4,3% para 10,5%.

    Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (11), em São Paulo, pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), um dia antes da coletiva de imprensa, que a entidade vai fazer nesta quinta-feira (12), em Manaus para apresentar o mesmo balanço.

    De acordo com a Abraciclo, a greve dos caminhoneiros afetou as vendas em junho, já que houve queda de 11,3% na comparação com maio. Segundo a associação, a paralisação afetou o recebimento de insumos e reduziu a distribuição de motocicletas.

    A produção em junho foi levemente afetada pela paralisação, já que recuou 0,3% em relação ao mesmo mês em 2017. “Alguns dos nossos fabricantes decidiram antecipar as férias coletivas de junho e julho, por causa da greve, e isso repercutiu no menor volume de produção”, explicou o presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian.

    Apesar do dado negativo de junho, no acumulado dos primeiros seis meses do ano, a produção de motocicletas registrou crescimento de 16,7%, ao alcançar a produção do total de 494.685 unidades no período.

    As vendas de motocicletas no atacado, durante o primeiro semestre do ano, totalizaram 451.311 unidades, crescimento de 12,2%. O balanço de vendas no varejo aponta alta de 3,3% em junho na comparação com o mesmo mês de 2017. Em relação a maio, houve redução de 8,8%. De janeiro a junho se registrou alta de 6,9% em relação a igual semestre do ano passado.

    Exportações

    Foram exportadas 41.030 unidades no primeiro semestre, alta de 26,6% sobre o mesmo período de 2017. Em junho, as exportações totalizaram 4.404 unidades, queda de 42,4% sobre junho do ano passado e de 33,6% em relação a maio deste ano.

    Fermanian disse que os resultados de forte queda no mês passado têm relação com a redução de exportações para Argentina, país que recebe 70% das exportações brasileiras. “[Os resultados] refletem o impacto do mercado da Argentina, que vem sofrendo com a desvalorização cambial. Isso já refletiu em queda no mês de junho”, disse o presidente da Abraciclo.

    Bicicletas

    A produção de bicicletas no primeiro semestre foi de 327.850 unidades, alta de 10,7% sobre o mesmo período de 2017. Em junho, houve alta de 14,9% em relação a junho de 2017. Na comparação com maio, foi registrada queda de 23,4%.

    João Ludgero, vice-presidente do segmento de bicicletas da Abraciclo, disse que a greve dos caminhoneiros provocou redução do volume de produção, mas “não a ponto de impactar as linhas de produção”. As fábricas tiveram acúmulo de distribuição, mas a recuperação se deu ainda em junho.

    Ludgero avalia como positivo o aumento estimado em 30% a 40% no uso de bicicletas nos grandes centros urbanos brasileiros durante a greve dos caminhoneiros. “Despertou-se bastante o interesse [na bicicleta]. Cada vez que a gente tinha dificuldade de ir para a escola ou trabalho, a bicicleta foi usada”, disse.

    Além disso, nos últimos três anos, houve incremento da utilização de bicicleta, já que dobrou a quantidade de ciclovias no país. “É um caminho bastante promissor, vai aumentar a demanda no Brasil”, afirmou Ludgero.

    Projeções

    Diante dos resultados positivos para o setor, a Abraciclo revisou de 5,9% para 11% o crescimento da produção esperada para este ano. As vendas no atacado também foram revisadas de 4,3% para 10,5%. As exportações, no entanto, foram revistas para baixo, saindo da alta de 3,9% para queda de 2,2%, devido ao problema com a Argentina. O presidente da entidade admite possibilidade de nova revisão, caso a Argentina venha a se recuperar.

    Números: 11%

    é a nova estimativa de crescimento da produção do polo de duas rodas de Manaus, segundo a Abraciclo. Depois de fechar o ano de 2017 no negativo, mas abriu 2018 com a expectativa de se recuperar com alta de 5,9% neste ano

    Leia mais:

    Produção industrial teve queda de 4,1% no AM de abril a maio

    Produção industrial cai em 14 de 15 locais pesquisados ´pelo IBGE

    Ministério Público recomenda suspensão imediata de concurso da Seduc