Fonte: OpenWeather

    ALIMENTO DE PÁSCOA


    Preço médio da cesta de Páscoa ficou 0,99% mais barato, aponta FGV

    O ovo de Páscoa não ficou mais caro e o preço da batata inglesa caiu quase 30% em relação a cesta de 2019

    | Foto:

    Rio de Janeiro - Os preços da cesta de Páscoa de 2020 caiu 0,99% em relação ao mesmo período do ano passado, quando os produtos mais comercializados na época subiram 29,67%, segundo pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV). A taxa registrada na Páscoa de 2020 ficou abaixo da inflação acumulada entre abril de 2019 e março deste ano pelo Índice de Preços ao Consumidor da FGV (IPC/FGV), que foi de 3,44%.

    Entre os alimentos mais consumidos na Páscoa, a batata-inglesa apresentou a maior redução de preço (-28,93%), seguida do azeite (-5,09%) e azeitona em conserva (-2,14%). Em 2019, a batata-inglesa também foi o destaque, mas no sentido inverso, com alta de 104,91%. “Se tirasse a batata do contexto, a variação em 2019 teria sido bem mais baixa. Mas, a batata tinha subido em 12 meses até março do ano passado mais de 100% e isso acabou puxando a cesta para cima”, explicou o economista André Braz, coordenador do IPC/FGV. “Este ano, o preço da batata-inglesa está negativo porque as condições de safra são favoráveis, disse Braz.

    A batata inglesa que ficou mais cara na cesta de 2019, teve a maior que de preço na Páscoa deste ano
    A batata inglesa que ficou mais cara na cesta de 2019, teve a maior que de preço na Páscoa deste ano | Foto: Reprodução

    O coordenador do IPC/FGV observou que a cesta de Páscoa não é importante aos brasileiros no dia a dia. No momento, por força do isolamento social recomendado para evitar a Covid-19, as famílias estão dando maior importância à cesta básica de alimentos que subiu de 0,19% no dia 2 de março passado, para 1,64% em 26 de março. “Isso em menos de 30 dias, mostrando que esse isolamento social provocou uma procura grande das famílias por alimentos mais básicos, porque as refeições estão sendo feitas em casa. Esse choque de demanda provocou o aumento de preços forte. Mas é uma história diferente da cesta de Páscoa”.

    Na Páscoa deste ano, Braz indicou que os preços não variaram muito. Exceção para o bacalhau, com elevação de 13,35%, e ovos de galinha, alta de 17,38%. O economista afirmou que comparando o preço dos ovos agora e o de 30 dias atrás, verifica-se que o ovo subiu muito porque, nesse período da Quaresma, as pessoas diminuem o consumo de carne vermelha e consomem mais ovos. A pesquisa da Páscoa não faz essa análise de curto prazo, mas compara os preços em 12 meses para não ter efeito sazonal.

    Ovos de Páscoa

    André Braz informou que os preços dos ovos tradicionais de chocolate, consumidos na Páscoa, não ficaram muito diferentes do ano passado. Esse produto, tradicionalmente, aumenta em torno de 10% de um ano para outro, “mas em comparação com a última Páscoa, a gente não viu aumento, porque tem muita promoção, não só pela proximidade da Páscoa, como também pela impossibilidade de locomoção das famílias e pelo baixo volume de vendas”.

    Braz lembrou que com o isolamento social, muitas pessoas pararam de prestar serviços e não estão ganhando dinheiro. Isso tem limitado muito o orçamento das pessoas e os ovos de chocolate passam a ser considerados itens supérfluos, o que acaba tendo impacto no preço.

    Com a quarentena imposta para combate ao coronavírus, a recomendação do coordenador do IPC/FGV para a Páscoa é ver pela internet os produtos que deseja e dar preferência a quem entrega em casa. Como o almoço de Páscoa não poderá ser feito este ano em família, como ocorre tradicionalmente nessa época do ano, nem em restaurantes, dividindo-se a despesa entre os participantes, André Braz sugeriu usar um pouco a criatividade em casa e tentar proteger ao máximo o orçamento.

    “Abrir mão dos produtos da Páscoa que estiverem mais caros e optar pelos mais baratos, porque este é um ano atípico, diferente, e a prioridade agora é manter a saúde financeira da família, porque a gente não sabe, exatamente, as consequências desse período de isolamento social e o que isso vai trazer para a economia”. Uma vez que o impacto dessa crise ainda não pode ser medido com exatidão, o economista da FGV recomendou que, no momento, é bom não abusar do orçamento, poupar o que puder “e rezar para essa situação passar rápido”.