Comércio


Sem usar máscaras, consumidores estão sendo barrados no Centro

Vídeo: Além de não fazer uso de máscaras, alguns consumidores, também não aceitam o álcool em gel oferecido na entrada das lojas

Lojas impuseram regras de prevenção contra o novo coronavírus
Lojas impuseram regras de prevenção contra o novo coronavírus | Foto: Lucas Silva/Em Tempo

Manaus – Na tarde deste sábado (06), a intensa movimentação no primeiro fim de semana após a abertura parcial do comércio de Manaus, o Centro da cidade estava lotado de consumidores e fez com que alguns comerciantes barrassem a entrada de pessoas sem máscara de proteção nos estabelecimentos. A reabertura do comércio se deu no dia 1º de junho e desde então o fluxo de pessoas pelas ruas só aumenta, segundo os próprios consumidores que estão indo ao local fazer compras.

Marivalda Damião, 46 anos, faz parte da administração da loja Rima Fashion e afirma que muitas pessoas estão indo ao banco no Centro e aproveitando para fazer compras depois. “As filas nos bancos daqui estão imensas e eu percebo que depois que as pessoas resolvem seus problemas ou tiram dinheiro, elas aproveitam para passear aqui pelo comércio”, explica

Ela diz que, apesar do grande fluxo de pessoas entrando e saindo da loja, os funcionários do local não estão permitindo que ninguém entre sem máscara. “Preparamos a nossa equipe pra isso e sabíamos que aconteceria, pois, estamos com muitas peças em promoção. Eles têm barrado aqueles que tentam entrar sem máscara por uma questão de segurança”, relata.

Falta responsabilidade

Com bastante música alta e mercadorias em promoção, a população manauara não perdeu tempo e aproveitou o sábado para ir às compras. Shirlene Vieira, 47 anos, resolveu ir ao Centro adquirir novas pessoas de roupa e se surpreendeu com o movimento. “É a primeira vez que estou vindo aqui desde a reabertura e é chocante a quantidade de pessoas. Mas é triste ver que a maioria não está usando máscara e deixando toda a responsabilidade para as lojas”, desabafa.

Vendedor da Asya Fashion, Yuri Souza, 28 anos, ressalta que, apesar do fluxo ser benéfico para o caixa, a quantidade de pessoas sem máscara é um perigo. “Já barramos várias pessoas aqui na porta hoje. Algumas entram com máscara e tiram aqui dentro e aí nós temos que ficar chamando atenção. Outras nem aceitam o álcool em gel oferecido. É complicado, porque nós estamos fazendo nossa parte e eles não”, salienta.

Jessy Caroline de Souza, 26 anos, também é vendedora, mas na loja Favorita Modas. Ela explica que a reabertura do comércio foi muito importante para ela, pois, estava até então desempregada. “Eu fui demitida quando o decreto foi lançado e agora consegui esse emprego aqui no Centro. Estou feliz e espero que as pessoas passem a respeitar as medidas, porque senão poderemos ter a paralisação novamente e isso não será bom para nós que somos trabalhadores”, esclarece.

Decreto

O Governo do Amazonas publicou, no Diário Oficial do Estado (DOE) no dia 28 de maio, o Decreto nº 42.330, que dispõe sobre o cronograma de retomada gradual das atividades econômicas em Manaus, a partir do dia 1º de junho.

A medida considera que as ações adotadas até o momento permitiram reduzir o ritmo do avanço do novo coronavírus na capital do estado. Os indicadores continuam sendo monitorados pelo Governo e vão indicar a possibilidade de avanço em cada ciclo de reabertura de atividades não essenciais.

O primeiro ciclo conta com os seguintes segmentos:

De acordo com o governador do Amazonas, Wilson Lima, o Estado poderá adiar a retomada das atividades se os dados epidemiológicos indicarem um novo aumento de casos. “Se em algum momento a gente decidir reabrir a partir de junho e a gente começar a ter uma volta ou uma subida desses casos, nós não temos nenhum problema em retroagir e voltar com as medidas restritivas”, reforçou.

Veja vídeo da movimentação no Centro de Manaus

A rua Marechal Deodoro é uma das vias mais movimentadas no Centro | Autor: Bianca/Em Tempo