Fonte: OpenWeather

    Economia


    Brasil e Argentina querem renovar acordo automotivo, diz ministro

    Brasil e Argentina querem renovar o acordo automotivo entre os países, cuja validade se encerra em junho, mantendo o atual formato para exportação dos veículos. Assim, a intenção é manter a exigência já em vigor de cerca de 60% de autopeças do Mercosul para que o veículo circule entre os países sem pagar tarifa de importação.

    "Há uma convergência em relação à conveniência da prorrogação do nosso acordo automotivo, que é, na nossa avaliação, um acordo extremamente equilibrado", disse o ministro Armando Monteiro (Desenvolvimento).

    A declaração foi feita após encontro entre Monteiro e Mauro Vieira (Relações Exteriores) com o lado argentino, representado por Alex Kiciloff (Economia) e Héctor Timernam (Relações Exteriores).

    Monteiro disse que o tempo de validade do novo acordo "pode ser por mais de um ano" e afirmou que "ao que tudo indica", ficam mantidos os termos atuais. Questionado sobre a flexibilização da regra de conteúdo local, ele reconheceu que o tema foi levantado, mas que não deve ser considerado no curto prazo.

    "Há uma questão relacionada com a revisão dessa discussão, da regra de origem, mas ela não se coloca agora na perspectiva da prorrogação do acordo atual". Reportagem da Folha de S.Paulo publicada nesta semana informou o interesse da Argentina em flexibilizar o acordo, exportando carros com mais peças chinesas e coreanas para o Brasil.

    "Tivemos uma discussão sincera, aberta e ampla de todas as questões que nos envolvem, inclusive de algumas questões que são mais difíceis de resolver, porque temos uma relação tão intensa e densa que sempre vai haver algum tipo de dificuldade", disse o chanceler Mauro Vieira.

    POSIÇÃO HARMONIZADA

    Monteiro afirmou ainda que o Mercosul tem uma posição "muito convergente" em relação ao acordo de livre comércio com a União Europeia. Segundo ele, o bloco quer estimular o lado europeu, no próximo mês, a fazer a troca de ofertas.

    "Nós já temos uma posição harmonizada [no Mercosul]. E teremos essa iniciativa para instar a União Europeia a também fazer a sua oferta, de modo a que não fique nem de longe a impressão de que o Mercosul não tem uma posição harmonizada, convergente e firme em relação ao interesse que temos."

    Do lado argentino, Alex Kiciloff e Héctor Timernam agradeceram a "solidariedade" do Brasil em relação ao tema dos fundos abutres e apoiaram, a exemplo dos brasileiros, uma reforma em organismos internacionais, como o FMI (Fundo Monetário Internacional).

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano