Fonte: OpenWeather

    Economia


    FGTS vai injetar R$ 5 bilhões na compra da casa própria

    O Conselho Curador do FGTS aumentou em R$ 4,9 bilhões uma linha de financiamento para a compra da casa própria por trabalhadores que têm contas no fundo, o chamado Pró-cotista. Essa linha tem juros um pouco menores que os que são cobrados normalmente pelos bancos para financiar a casa própria.
    Além de aumentar os recursos, que eram de R$ 800 milhões ao ano, o Conselho também reduziu o valor máximo do imóvel de R$ 750 mil para R$ 400 mil.

    Com essa medida, a expectativa é que o fundo possa suprir parte das perdas de recursos para financiar a compra de imóveis, o que vem acontecendo com a saída em massa de recurso das cadernetas de poupança.

    Parte dos recursos da poupança eram usados para financiar a habitação. A redução do valor teto do imóvel também vai possibilitar que mais pessoas sejam atendidas.

    Segundo o ministro do Trabalho, Manuel Dias, que preside o conselho do FGTS, com essa medida e também com a aprovação de um financiamento para o BNDES de R$ 10 bilhões, o fundo vai melhorar o rendimentos dos trabalhadores e também ajudar no desenvolvimento de projetos que geram empregos. O FGTS vai receber juros de TR mais 7% ao ano.

    "Estamos investindo dinheiro dos trabalhadores em projetos rentáveis, com garantia total, e isso faz com que ampliemos os recursos para investimentos em infraestrutura. Nesse momento que o Brasil precisa retomar os investimentos para a geração de novos postos, o FGTS, que não perde nada, contribui para o desenvolvimento", afirmou Dias.

    IMÓVEIS NOVOS

    Segundo Cláudio da Silva Gomes, representante da CUT no conselho, o aumento da linha de crédito do Pró-cotista vai ajudar também a manter empregos na construção civil, já que 60% dos recursos terão que ser emprestados para imóveis novos.

    "O dinheiro para o BNDES também vai na linha de garantir empregos já que é para projetos de infraestrutura", afirmou Gomes.

    Uma proposta do setor da construção civil para aumentar o teto do imóvel dos beneficiários do Minha Casa, Minha Vida, hoje em R$ 190 mil, não foi analisada pelo conselho. Segundo o ministro Dias, ela poderá voltar à pauta na próxima reunião do conselho se os estudos dos comitês técnicos estiverem concluídos.

    O ministro também afirmou que continuará em estudos a proposta, já aprovada no Fundo, de que trabalhadores possam aplicar de forma autônoma até 30% dos saldo de suas contas.

    "Precisa alterar a lei. Estamos analisando isso com a Fazenda para fazer uma lei", disse Dias.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano