Fonte: OpenWeather

    Economia


    Mercado piora estimativa de inflação para 2015 pela 8ª semana seguida

    Economistas de instituições financeiras mantiveram a expectativa para a taxa básica de juros (Selic) no final deste ano após o Banco Central elevar a taxa de juros a 13,75% na semana passada, ao mesmo tempo em que pioraram a perspectiva para a inflação.

    Em relação ao IPCA, os especialistas consultados veem agora uma alta de 8,46% ao final deste ano, contra 8,39% na semana anterior, na oitava semana seguida de piora do cenário.

    Essa alta acompanha uma expectativa de um aumento maior nos preços administrados do que se esperava, de 13,94%, em vez de 13,90%. Em 12 meses, a previsão para a alta do IPCA caiu de 5,99% para 5,95%, um movimento compatível com a inflação mais baixa projetada para 2016, de 5,50%, previsão inalterada há três semanas.

    A pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda-feira (8) mostrou ainda que os especialistas deixaram inalterada a projeção de que a Selic encerrará 2015 a 14%.

    APERTO MONETÁRIO

    Na quarta-feira passada (3), o Copom (Comitê de Política Monetária) manteve o ritmo de aperto monetário e elevou a taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual, para 13,75% ao ano.

    O aumento da taxa, que serve de referência para o custo do dinheiro na economia brasileira, veio em conformidade com as expectativas do mercado. A alta era a aposta de 55 dos 56 economistas ouvidos em pesquisa da Bloomberg. A única previsão diferente era a do banco americano Morgan Stanley, que esperava um aumento mais modesto, de 0,25 ponto percentual.

    Os juros estão agora no maior nível desde janeiro de 2009. Naquela época, o BC iniciava um processo de redução da taxa básica para reanimar a economia diante dos efeitos da queda do banco Lehman Brothers.

    Quanto à atividade, o mercado estima que o PIB (Produto Interno Bruto) tenha contração de 1,30% neste ano, ante expectativa anterior de retração de 1,27%.

    Esse recuo acompanha uma piora significativa na previsão para a produção industrial, que saiu de queda de 2,80% para baixa de 3,20%. A revisão ocorre depois de anunciada a produção da indústria brasileira de abril, de queda de 1,2% ante março e de 7,6% em relação ao mesmo período do ano passado, conforme dados do IBGE.

    Para 2016, as estimativas da atividade não mudaram: crescimento de 1% para o PIB brasileiro e de 1,50% para a indústria.

    A taxa Selic é utilizada nos empréstimos que o BC faz a instituições financeiras. Ela também serve de referência para a economia e para os juros cobrados de consumidores e empresas.

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Pesca esportiva movimenta R$ 70 milhões no Amazonas

    2. Você conhece o coworking? Compartilhamento de espaços para empresas está em alta

    3. Feira 'Tudo Para Casa' exibirá rochas ornamentais

    4. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    5. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil