Fonte: OpenWeather

    Economia


    Média salarial em empresas é menor que na administração pública, indica IBGE

    Apesar de responderem por 89,7% das organizações formais no Amazonas, as empresas privadas pagam os salários médios mensais mais baixos (R$ 1.830). Do outro lado, os órgãos públicos têm os vencimentos mais elevados (R$ 2.508,60), seguidos pelas entidades sem fins lucrativos (R$ 2.101,80).

    Divulgados nesta terça (16), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os números estão no Cadastro Central de Empresas (Cempre), indicador que reúne informações cadastrais e econômicas de organizações formalmente constituídas no Estado e suas respectivas unidades locais.

    As 35,6 mil empresas e outras organizações formais do Cempre ocupavam, em 2013, 659 mil pessoas, sendo 614 mil (93,2%) como pessoal assalariado e 44,5 mil (6,8%) como sócios ou proprietários.

    Os salários e outras remunerações pagos por essas empresas naquele ano totalizaram R$ 12 bilhões, e o salário médio mensal foi de R$ 2.034, equivalente a três salários mínimos.

    Na comparação com 2009, houve um incremento de 20,8% no total de empresas e outras organizações ativas (35,6 mil). O pessoal ocupado total cresceu 12,9% (75 mil), sendo que o pessoal ocupado assalariado aumentou 12,1% (66.724) em cinco anos.

    De 2009 a 2013, as empresas e outras organizações amazonenses geraram 75,5 mil novos empregos, sendo 37,3% na seção Industria de Transformação e 35,5% no Comércio, sendo estes os dois principais setores geradores de mão de obra.

    Administração pública

    Em 2013, as entidades empresariais representavam 89,7% das empresas e outras organizações do Cempre, 69,4% do pessoal ocupado total, 67,7% do pessoal ocupado assalariado e 59,3% dos salários e outras remunerações.

    Em cinco anos, a participação dessas entidades, que já era predominante em 2009 (88,2%), aumentou em 1,4% ponto percentual (p.p.) no total das empresas e outras organizações ativas.

    Este aumento apresentou reflexos nas variáveis econômicas, com avanço de 8,2 p.p. no pessoal ocupado total (de 61,28% para 69,4%); de 8,6 p.p. no pessoal ocupado assalariado (de 59,1% para 67,72%); e de 15,2 p.p. em salários e outras remunerações (de 44,1% para 59,3%).

    Os órgãos da administração pública, apesar de representarem somente 0,7% das empresas e outras organizações, absorveram 26,9% do pessoal ocupado total, 28,8% do pessoal ocupado assalariado e pagaram 37,1% dos salários e outras remunerações.

    De 2009 a 2013, a participação da administração pública no número de empresas caiu de 281 para 258 (-8,9%), também houve redução nas outras variáveis.

    No caso do pessoal ocupado total, a redução foi de 34,8% para 26,9% (-7,9 p.p), no pessoal assalariado, de 37,1%, em 2009, para 28,8% (-8,5 p.p) e em salários e outras remunerações, de 52,6% para 37,14% (-15,5 p.p.).

    Empregos na indústria

    De 2008 a 2013, as empresas e outras organizações geraram 75,5 mil novos empregos, sendo 37,3% na indústria; 35,5% na seção comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas; 11,5% em atividades administrativas e serviços complementares e 15,3% em construção.

    Assim, as participações relativas no pessoal ocupado assalariado aumentaram nestas atividades, sendo que o crescimento mais expressivo se deu na atividade comércio, que passou de 15,8% para 18,1% (2,2 p.p.). Educação cresceu de 8,0% para 9,7% (1,6 p.p.) e indústria extrativa de 21,5% para 23,3% (1,8 p.p.).

    Homens e mulheres

    Em 2013, no âmbito empresarial, 57,2% do pessoal ocupado assalariado eram homens e 42,8%, mulheres. A participação feminina caiu –1,2 p.p. em relação a 2009, quando era de 44%.

    De 2012 para 2013, o aumento do número de mulheres (5,7%) foi superior ao de homens (5,2%), e a participação feminina na variação de pessoal ocupado assalariado foi inferior à masculina: enquanto os homens contribuíram com 55,0% (17,5 mil pessoas), as mulheres contribuíram com 44,1% (14,2 mil pessoas).

    Em termos salariais, em 2013, os homens receberam, em média, R$ 2.169,60 e as mulheres, R$ 1.860. Ou seja, o salário das mulheres era equivalente a 85,7% do salário dos homens.

    Por equipe EM TEMPO Online

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    2. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    3. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    4. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano

    5. Amazonas é o 5º na geração de empregos na região Norte e o 17º no Brasil