Fonte: OpenWeather

    Economia


    Terceirizados da Tecnisa cruzaram os braços e reivindicam direitos trabalhistas

    O ato aconteceu em frente a uma obra localizada na avenida Coronel Teixeira, bairro Dom Pedro, Zona Oeste da capital  foto: Mara Magalhães
    O ato aconteceu em frente a uma obra localizada na avenida Coronel Teixeira, bairro Dom Pedro, Zona Oeste da capital foto: Mara Magalhães

    Aproximadamente 100 trabalhadores da construção civil, que prestam serviços terceirizados para a empresa Tecnisa, cruzaram os braços na manhã desta terça-feira (23). Segundo o presidente do Sindicato da Construção Civil e Montagem do Estado do Amazonas (Sintracomec), Cícero Custódio, os funcionários reivindicam pagamento de Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – (FGTS), férias e rescisão.

    O ato aconteceu em frente a uma obra localizada na avenida Coronel Teixeira, bairro Dom Pedro, Zona Oeste da capital.

    Conforme o sindicalista, a categoria quer que a empresa efetue uma parte do pagamento dos direitos trabalhista até o dia 15 do próximo mês. “Estamos tentando um diálogo com a empresa, para que pelo menos eles paguem, parcelado, uma parte dia 15 e outra dia 30”, comentou.

    Custódio ameaçou ainda que, caso a empresa não cumpra com os acordos, o sindicato vai entrar com uma ação no Ministério Público do Trabalho do Amazonas (MPT-AM). “Até dia 15, se a empresa não efetuar os pagamentos, nós vamos entrar com uma ação no MPT e ainda paralisar a obra toda”, disse.

    A reportagem do EM TEMPO Online entrou em contato, por telefone, com a empresa Tecnisa que, até o momento desta publicação, ainda não tinha conhecimento do ato e afirmou que todos os operários estariam trabalhando normalmente.

    Por equipe EM TEMPO Online

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano