Fonte: OpenWeather

    Economia


    Servidores da Suframa se reúnem para debater propostas

    O Sindframa acredita na derrubada do veto da presidente Dilma, previsto para o próximo dia 14 - foto: Henderson Martins
    O Sindframa acredita na derrubada do veto da presidente Dilma, previsto para o próximo dia 14 - foto: Henderson Martins

    Membros do Sindicato dos Servidores da Suframa (Sindframa) se reuniram com servidores da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) na manhã desta quinta-feira (2), para prestar esclarecimento sobre a greve, que já está em seu 43º dia.

    Para o presidente do sindicato dos trabalhadores, Anderson Belchior, existe uma mistificação em relação ao agravante da greve e a crise do mercado. "Há um mito sobre a greve, a culpa da crise na economia no Brasil não é culpa da Suframa. Nós estamos com 30% de servidores trabalhando, não existe um desabastecimento de itens essenciais', afirmou.

    Após 43 dias de greve, Belchior relatou que o governo federal não se posicionou para criar uma proposta com os sindicato. Ele disse ainda, que a reestruturação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) dos servidores da Suframa não causaria prejuízo para o governo federal. "Existe um descaso do governo federal. A reestruturação da carreira dos servidores significa apenas R$ 32 milhões, esse recurso é produzido aqui. O governo federal não vai gastar nada, a própria Suframa paga os salários", pontuou.

    A bancada do Amazonas, em Brasília, liderada pelo senador Omar Aziz (PSD) está trabalhando uma forma de derrubar o veto da presidente Dilma Rousseff (PT) previsto para acontecer na próxima terça-feira (14).

    A previsão do Sindframa é que a greve continue até que aconteça a derrubada do veto da presidente.

    O Amazonas ganhou força, quando o deputado federal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), se posicionou a favor da reestruturação da PCCS dos servidores da Suframa, em coletiva com a impressa local na última segunda-feira (29).

    "Sou a favor não apenas da reestruturação de carreia dos servidores, mas também da própria Suframa, para que seja símbolo de desenvolvimento econômico", disse Cunha.

    Com esse novo apoio o Sindframa acredita na derrubada do veto da presidente Dilma, previsto para o próximo dia 14.

    De acordo com Centro de Indústrias do Estado do Amazonas (Cieam), o prejuízo com a greve chega no montante de R$ 2 bilhões.

    O governador José Melo (Pros), entrou com ação judicial para que os servidores da Sefaz façam a liberação dos produtos retidos pelo agravante da greve.

    Por Henderson Martins

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano