Fonte: OpenWeather

    Economia


    Confiança do Comércio tem menor nível desde 2010, aponta FGV

    Confiança do Comércio cai 1% em julho e tem menor índice desde 2010 – foto: Marcelo Camargo/ABr
    Confiança do Comércio cai 1% em julho e tem menor índice desde 2010 – foto: Marcelo Camargo/ABr

    O Índice de Confiança do Comércio (Icom) recuou 1% em julho deste ano, em comparação a junho, atingindo 89,8 pontos, o menor índice da série histórica iniciada em março de 2010 (livre de influências sazonais). O ajuste sazonal ocorre quando os técnicos descontam o aumento ou diminuição das vendas de produtos em feriados ou datas comemorativas.

    Os dados constam da Sondagem do Comércio, indicador divulgado nesta sexta-feira (24), pela Fundação Getulio Vargas (FGV). A queda em julho é resultado da menor expectativa em relação aos próximos meses, uma vez que o Índice de Expectativas (IE-COM) – um dos componentes do Icom – chegou a cair 4,6%, influenciado pela redução do fator que mede o grau de otimismo dos empresários sobre a evolução da situação nos seis meses seguintes.

    O Icom tem uma média histórica de 122,2 pontos. Quanto mais baixa for a pontuação em relação à média histórica, pior é a avaliação que as empresas fazem da situação dos negócios do momento e das expectativas em relação ao comércio no futuro. A pesquisa abrangeu todos os segmentos do comércio do país. O indicador engloba tanto os varejistas quanto atacadistas.

    Segundo consultor da FGV, Silvio Sales, não há sinalização – nos dados apresentados – de que o cenário irá melhorar nos próximos meses. “De modo geral, os indicadores se mantêm em patamar historicamente baixo e as expectativas prosseguem piorando, em linha com o contexto de redução no nível de emprego e desaceleração do consumo doméstico”, disse.

    O levantamento da FGV indica que o Índice da Situação Atual (ISA-COM), que retrata o grau de satisfação com a demanda, avançou 6,3%, atingindo 64,4 pontos em julho. A melhora deste indicador, no entanto, não foi generalizada.

    No mais tradicional conceito de varejo restrito, o ISA-COM recuou 1%. No que a FGV define como “conceito de varejo ampliado”, que inclui automóveis e material de construção, também houve queda, de 0,5%.

    O único grande segmento a registrar melhora na percepção sobre a situação atual dos negócios foi o atacado. Neste caso, houve alta de 14,8%, resultado que sucede duas quedas: 7,3% em maio e 7,2% em junho.

    A edição de julho de 2015 coletou informações de 1.209 empresas entre os dias 1º e 21 deste mês. A próxima divulgação da Sondagem do Comércio ocorrerá em 31 de agosto.

    Por Agência Brasil

    Mais lidas

    1. Você conhece o coworking? Compartilhamento de espaços para empresas está em alta

    2. Pesca esportiva movimenta R$ 70 milhões no Amazonas

    3. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    4. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    5. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE