Fonte: OpenWeather

    Economia


    Campanha de financiamento coletivo promete celular topo de linha barato

    Um projeto no site de financiamento coletivo ‘Kickstarter’ está prometendo um smartphone com especificações topo de linha por preço de aparelho intermediário. O ‘Ubik Uno’ pode ser reservado por US$ 280 – valor que fica abaixo dos R$ 1.000 mesmo com o dólar cotado em R$ 3,30. O preço do Moto G, um dos preferidos entre os intermediários no Brasil, custa R$ 750.

    Entre as especificações do Ubik Uno estão tela Full HD de 5,5 polegadas, 3 Gbytes de memória, processador 64 bits de 2,2 GHz (oito núcleos) e câmera traseira de 20 Mpixels.

    O aparelho, porém, escorrega no armazenamento: 16 Gbytes (mais espaço para cartão microSD). Também não oferece espaço para dois chips telefônicos, como o rival da Motorola.

    O ‘Ubik Uno’ também tenta conquistar pelo design, que quase não conta com bordas laterais, e o uso de Android 5.1 puro.

    O projeto estabeleceu uma meta ousada para o financiamento, US$ 200 mil. Claro, nada comparável à tentativa da ‘Ubuntu’ de levantar US$ 32 milhões dois atrás para construir seu próprio telefone.

    Ainda assim, a meta do Ubik é mais alta do que a comumente encontrada para dispositivos tecnológicos (quase sempre o pedido é de US$ 50 mil). Faltando 41 dias para o encerramento, a campanha já levantou metade do dinheiro. As entregas estão previstas para setembro.

    Ubik Uno

    Meta: us$ 200 mil
    Contribuição mínima: us$ 5
    Contribuição mínima para ter o produto: us$ 280
    Contribuição máxima: us$ 2.990
    Fim da campanha: 4 de setembro
    Entrega: Setembro de 2015

    Por Folhapress

    Mais lidas

    1. Expectativa de crescimento favorece criação de empregos temporários no Natal

    2. Demanda por voos para os Estados Unidos cresce no Brasil

    3. Gás de botijão leva prévia da inflação oficial a 0,34% em outubro, diz IBGE

    4. Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

    5. Comércio chega ao sétimo mês de crescimento e espera alta de até 5% no fim do ano